Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

17.Ago.17

As novas armas de guerra terroristas.

naomedeemouvidos

Há uma nova arma terrorista. Ao alcance de quase qualquer um e esgotadas que estão, de momento, as hipóteses bem-sucedidas de (voltar a) guiar estratégica e mortalmente aviões para atentar contra o modo de vida de sociedades diferentes, camiões, carrinhas e automóveis (por enquanto) tornaram-se no novo armamento de guerra dos extremistas-barra-terroristas-barra-anarquistas-barra-loucos, simplesmente. Menos sofisticados, menos equipados, menos preparados, mas igualmente dementes e mortíferos, os novos terroristas não saem da cidade, não se deixam levar para lugares inóspitos e longínquos; basta-lhes sair de casa, como que para dar um passeio, sem levantar a menor suspeita.

Desta vez, o alvo foi Barcelona. Mais exactamente, a incontornável e fremente avenida Las Ramblas. Já há dois mortos e a polícia já confirmou que se trata de um ataque terrorista. Mais um ataque terrorista. Que outra coisa poderia ser, de facto? Alguma acção mais “enérgica” daqueles movimentos anti-turistas? E isso não seria, igualmente, terrorismo?

Ninguém está a salvo destes dementes. A questão já não é se vai acontecer; é quando e onde será o próximo alvo. Por isso é que é chocante ouvir defender que a “culpa” do que aconteceu, por exemplo, em Charlottesville é de “ambas as partes” e que também há “pessoas boas” (na expedita linguagem dessa criatura que se tornou presidente dos EUA) nos grupos radicais e fascistas de extrema direita. O que haverá de bom em alguém que odeia outro alguém, só porque sim? O que haverá de bom em alguém que publica, acerca de uma mulher brutalmente assassinada, que ela é “gorda, inútil e sem filhos”? O que haverá de bom em alguém que, de forma vil e cobarde, abalroa uma multidão indefesa com o único objectivo de provocar o maior número de vítimas possível? O que haverá de bom em alguém que se move apenas pela mais insana e colérica animosidade contra outrem, só porque é diferente, seja lá o que isso for?

6 comentários

Comentar post