Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

16.Ago.17

Códigos e Vestuários

naomedeemouvidos

Acabo de ler um artigo interessante, no Expresso, sob o título “Salazar controlou tudo. Até os ousados fatos de banho das refugiadas”.

Parece que as mulheres estrangeiras que chegavam a Portugal, refugiadas de uma Europa “mais tolerante”, mas em guerra, comportavam-se de uma forma que, no Portugal da época, era, basicamente, indecente. Parece que as senhoras usavam saias curtas, fumavam e, pasme-se!, iam sozinhas para o café! E Salazar, para evitar (mais) atentados ao pudor, regulou sobre algo muito, muito actual: o traje de praia!

Os anos passaram, Portugal mudou e a Europa também. Os costumes já não são o que eram e, agora, somos nós, europeus em geral, os sem-vergonha, pelo que, diferentes líderes europeus se vêem novamente a braços com mais do mesmo: de que forma (principalmente) as mulheres devem expor as suas carnes, no areal e, até, fora dele. De modo que, o tal “politicamente correcto” manda, de momento, que nós tenhamos de respeitar costumes mais decentes do que os nossos, tratando de criar condições para que ninguém se sinta ofendido por ser obrigado a ver mais mamas e coxas do que é suposto e muito temo que, com Salazar ou não, ainda nos vamos ver a todas de burkini. Não foi em Espanha que, recentemente, se sugeriu que as nadadoras-salvadoras vestissem uns calçõezitos, menos consensuais, mas muito mais impolutos?

6 comentários

Comentar post