Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

28.Set.17

Papa Francisco, o (fantástico) herege!

naomedeemouvidos

De há uns anos a esta parte, vivo sem crenças religiosas, de espécie nenhuma. Por nada de especial, só porque sim. E, talvez, porque conheço ateus e agnósticos que têm mais honra, humildade, respeito pelo próximo, etc, etc, etc, num dedo mindinho do que muitos católicos-cristãos e por aí fora, em toda a sua devota vidinha repleta de grandes e pequenos pecados. Até vivo com um, há vários anos. Ateu, quero dizer.

Adiante. Andava eu tão tranquila na minha vida descrente de sobrenaturais endeusados e aparece-me o Francisco, esse Papa “herege”, na boca de alguns teólogos conservadores. E o que fez o Papa Francisco para merecer tal cognome, de homens de Deus, como ele (como ele?)? Parece que escreveu um texto onde manifesta abertura aos católicos divorciados que voltaram a casar, pasme-se! E autoriza os padres a absolverem as mulheres que tenham feito um aborto. E admite a possibilidade de ordenação de homens casados.

Bom, na verdade, os ditos teólogos não chamaram o Papa Francisco de herege. Acusaram-no, apenas, de “espalhar a heresia”. Não é bem a mesma coisa. Todos sabemos que um herege é, assim, uma pessoa contrária aos dogmas de determinada religião e, como tal, que não pratica os seus deveres religiosos. E, também todos sabemos, não há teólogo, cardeal, bispo ou padre que não viva de acordo com os ensinamentos da Igreja Católica ou que deixe, uma vez que seja, de cumprir com todas as suas obrigações e deveres, principalmente, os da castidade, da humildade e da pobreza. Não é? Pois, bem me parecia.

Por isso, compreendo a indignação destes castos representantes da fé católica. Onde já se viu, um Papa que quer abrir as portas da “sua” Igreja aos divorciados, aos homossexuais, aos mais pobres de entre os mais pobres, enfim, a toda essa gente nada “católica”.

O Papa Francisco, com a sua simplicidade e inteligência desconcertantes, e apaixonantes, e hereges!, já veio dizer que ouve muitos comentários “respeitáveis, porque são ditos pelos filhos de Deus, mas errados”. O Papa Francisco foi mais longe e parece que também disse que, o tal texto, para ser entendido, deve ser lido “de cima para baixo”, “começando no primeiro capítulo, continuando para o segundo e assim por diante, reflectindo sempre”. E, com total desplante, parece que ainda acrescentou que a teologia e a filosofia não devem ser “reflexões laboratoriais”.

Eu, que não percebo nada disto, mas tenho opinião sobre tudo, acho que o Papa Francisco terá muitos defeitos, mas há muito tempo que um Papa não me tomava um segundo, sequer, do também muito meu precioso tempo. Como há muito tempo que não ouvia falar de um Papa que tivesse abdicado de tantos “direitos” e mordomias para estar mais perto daqueles que ainda creem na Igreja Católica e que dela mais parecem precisar.

De modo que, continuo a não acreditar muito na Igreja, católica ou não, mas acredito muito nas qualidades humanas deste Papa. É perfeito? Não. Mas alguém é?

6 comentários

Comentar post