Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

24.Ago.17

"Race and Terror"

naomedeemouvidos

Christopher Cantwell entregou-se à polícia.

Eu nunca tinha ouvido falar de Christopher Cantwell até aos dramáticos acontecimentos de Charlottesville. Christopher Cantwell é um supremacista branco (a expressão causa-me urticária, a mim, que sou tão branquinha que ouvi todas as piadas parvas possíveis sobre a cor da minha pele), assume-se como membro do movimento alt-right e liderou a manifestação na Virgínia. Mas, antes da manifestação, deixou-se acompanhar e entrevistar por Elle Reeve, correspondente da VICE News Tonight.

Movida de uma curiosidade tão mórbida quanto urgente para tentar perceber o que move homens como Christopher Cantwell, fui ver a reportagem.

Fico logo a saber que alguns dos manifestantes viajaram 12 horas de carro para chegar a Charlottesville, pelo que, a causa deve ser nobre. Não é?

Christopher Cantwell fala com a jornalista sempre num tom exaltado. Refere-se aos brancos como “companheiros”; aos não brancos refere-se sempre em tom rude e insultuoso. E perde a (pouca) paciência pelo facto de Elle Reeve se lembrar do nome de “brancos” que levaram a cabo actos de violência, mas não ser capaz - ou recusar-se a - nomear qualquer um dos responsáveis pelo “nine/eleven”. Na sua exaltação começa a referir algum do armamento que transporta e afirma estar a preparar-se para se tornar ainda mais capaz de actos de violência. Fala também da expectativa de propagar os seus ideais na expectativa de encontrar alguém “mais capaz”, alguém como Donal Trump, mas que não entregue a sua filha a um judeu. Mais racista do que Donald Trump. As palavras são suas.

A indignação de Christopher Cantwell estende-se à enorme afronta que representa, para alguém como ele, alguém que tem a mesma opinião que ele sobre a raça, ver o “bastard” do Kushner “walk around” com aquela rapariga linda! E eu a pensar que o tipo, para judeu e ligeiramente parvo, até nem estava nada mal!

As imagens passam para a manifestação. De um lado, os manifestantes da extrema direita assumida, do outro lado, os contramanifestantes, que alguns dizem ser de extrema esquerda. Os extremos nunca auguram nada de bom, mas a diferença entre as palavras de ordem e a indumentária é evidente. Basta ver as imagens. A violência e o confronto físico tornam-se inevitáveis. Quando Christopher Cantwell é atingido, aparentemente, por gás pimenta, alguns companheiros saúdam-no: “Heil Cantwell!”. Acusam “os outros” de serem “judeus comunistas” e “pretos criminosos”. Afinal, a sua manifestação foi autorizada e a outra não. Mas não se enganam! Christopher Cantwell e os companheiros não são pacíficos, “mataremos essa gente, se for preciso.”

Já no autocarro, a caminho do local onde ocorrerão os discursos, um outro manifestante de direita afirma, categoricamente, que estão apenas a começar a mostrar o seu poderio, “vocês ainda não viram nada!” Entretanto, já tinha garantido, à laia de ameaça, que brevemente teriam poder suficiente para “eliminar” (das ruas, para sempre) o “lixo anti-branco e anti-americano”.

A violência, as vozes exaltadas, mesmo quando falam entre eles, são evidentes e fazem parte do show. Mas é quando Christopher Cantwell começa a “despir” todo o arsenal que traz colado ao corpo que me arrepio, verdadeiramente.

Estaremos mesmo a caminhar para um novo holocausto? Ou não passa tudo de um mórbido espectáculo de exibição de machos alfa?

Christopher Cantwell entregou-se à polícia. Por algum motivo isso não me deixa mais tranquila…

23.Ago.17

A bondade não enche jornais.

naomedeemouvidos

A maior parte das vezes, assistir ao telejornal ou ler a imprensa escrita é um exercício deprimente. Entre incêndios vorazes e, muitas vezes, criminosos que ceifam vida em todas as suas formas, sangrentos ataques terroristas que, além de ceifarem mais vidas, estimulam mais reacções vingativas e perversas, e essa admirável administração Trump que promete salvar a America First (eu diria a America Only) nem que para isso “paralise” o governo federal e seque os cofres dos serviços secretos, ler ou ouvir notícias, dizia eu, não é para qualquer um.

No entanto, no meio do caos e da loucura, a bondade dos homens também faz das suas. Infelizmente, não vende tanto como a violência gratuita e, portanto, a comunicação social não lhe dá o devido destaque nem a mesma atenção.

Vem isto a propósito de duas notícias (ou, mais exactamente, duas breves passagens…) que eu já tinha lido e que a Laurinda Alves destacou na sua crónica de ontem, no Observador.

Fernando Álvarez, nadador espanhol em competição numa prova que se realizava em Budapeste, permaneceu sozinho, em silêncio, durante um minuto, em homenagem às vítimas dos atentados de Barcelona. Cumpriu a homenagem sozinho, mandando a competição às urtigas, depois da recusa da organização do Mundial de Masters de Budapeste em “perder” mais um minuto que fosse e, digo eu, no que quer que fosse!

Harry Athwal, turista britânico de origem indiana, permaneceu (também ele) sozinho, de joelhos no chão de Las Ramblas, velando um menino (da idade do seu próprio filho) que tinha sido colhido pela demanda, cega, demente e assassina, de Younes Abouyaaqoub. Apesar das ordens da polícia para abandonar o local e do medo que sentia, com certeza!, recusou perder a humanidade e recusou-se a abandonar o menino em agonia: "He looked like my son, I didn't want to leave him". O menino acabaria por morrer, mas Harry não consentiu que morresse sozinho!

Por que não se dá o mesmo destaque a este tipo de notícias? O Homem é, na sua essência, mais perverso e mau do que bom e, portanto, há menos casos de bondade para documentar ou, simplesmente, a maldade vende mais, fascina mais, logo, rende mais?

A minha singela homenagem a estes dois homens, porque representam, de facto, senão a única, seguramente a arma mais eficaz de combater o terrorismo, qualquer que seja a sua forma.

20.Ago.17

"Qual é o peso da consciência?"

naomedeemouvidos

Mamã, qual é o peso de consciência daquela senhora? A pergunta é, outra vez, do meu filho (a honestidade simples das crianças é algo que nunca pára de me surpreender) e a senhora é mãe do rapaz que manchou, de dor e luto, uma avenida pulsante de vida e, com ela, um país inteiro. A senhora está na televisão apelando ao seu filho para que se entregue à polícia e algo nela faz o meu murmurar “coitada...”.

As crianças fazem perguntas difíceis e eu tenho um medo enorme de não estar, de não estarmos, à altura delas.

Eu não sei qual é o peso de consciência daquela senhora. Sei que o meu seria demasiado denso para que pudesse suportá-lo sem alguma culpa. Acho que, depois do choque, a primeira interrogação seria onde é que falhei? O que fiz, o que deixei de fazer, que me tornou incapaz de transmitir ao meu filho a diferença entre o bem e o mal? Porque é de mal que se trata, naquilo que o mal tem de mais perverso, de mais abjecto, de mais amoral. Será que a culpa é, ainda que em parte, dos pais?

Diz-se que o exemplo não é uma maneira de educar, é a única. Acho que é isso que torna a tarefa assustadora. Porque somos humanos. Porque falhamos. Porque, em algum momento do nosso dia-a-dia mais ou menos rotineiro, mais ou menos fastidioso, tecemos um comentário, fizemos uma observação, tivemos uma atitude que nos pareceu menor, inofensiva, na altura, e ali está aquela criança a observar-nos, ávida de aprender, de crescer, a beber toda a nossa existência e, com ela, o nosso maldito exemplo.

Uma amiga minha costuma dizer (ainda eu não era mãe): se queremos ver o que fazemos de errado, basta prestar-lhes atenção. Eles são os nossos filhos. Porque, afinal, “a educação é a arma mais poderosa que podemos usar para mudar o mundo”. Com ela podemos enfrentar o medo ou sucumbir ao medo. Porque o medo tornou-se omnipresente, tomou de assalto as nossas vidas, e o meu filho interroga-me, observa-me, os olhos enormes, imensos de curiosidade. E eu sinto o peso, a obrigação, de não o educar no ódio. Já basta todos os outros erros que hei-de cometer pelo caminho…  

 

 

18.Ago.17

Mamã, a # é terrorista?

naomedeemouvidos

Há dias em que a realidade supera, de facto, a ficção. “Se não formos capazes de viver inteiramente como pessoas, ao menos façamos tudo para não viver inteiramente como animais” disse, um dia, José Saramago, esse pessimista assumido, mas não inteiramente incondicional. Nunca, como hoje, a realidade se me assemelha tanto a essa cegueira branca que Saramago ensaiou para expor, de forma crua e bárbara, os nossos instintos mais básicos na luta pela sobrevivência quando nos sentimos ameaçados na existência tal como a conhecemos. À cegueira física, inventada, criada, romanceada, junta-se a cegueira filosófica e abstracta que nos envolve e que nos impede de ver o outro e compreender o outro.

Mamã, a # é terrorista?, perguntou, um dia, o meu filho, depois de ver (mais) uma notícia como a de ontem em Barcelona. Referia-se, em concreto, à associação entre terroristas e muçulmanos. Como muitas outras crianças, na escola, tem amigos ou, pelo menos, colegas muçulmanos e a pergunta, naquele momento e naquele contexto, fazia todo o sentido. Ou não? Todos os muçulmanos são terroristas? Todos os terroristas são muçulmanos?

Apesar de ter vivido num país muçulmano relativamente liberal, não comungo com a maioria das práticas associadas ao Islão. Lembro-me, uma vez, numa aula de inglês (em que me inscrevi mais para conviver de perto com as gentes, num ambiente diferente, do que por qualquer outra coisa) em que se discutia acaloradamente qual o papel da mulher nas variadas sociedades, de ser interpelada por um jovem, agastado com o rumo do debate e com as minhas intervenções demasiado liberais: “Tu até podes ter razão, mas isto é Marrocos!”. E, no entanto, tenho a certeza absoluta que nem todos os muçulmanos são terroristas. Como nem todos os terroristas são muçulmanos.

Evidentemente, é muito difícil combater e, sobretudo, derrotar inimigos que lutam com armas diferentes das nossas. Combater e derrotar quem não tem qualquer respeito pela vida, pelos direitos humanos, quem não tem compaixão e se move apenas pela ideologia da vingança e do ódio. Combater e derrotar quem tem como única missão destruir um modo de vida para impor um outro e nessa selvagem empreitada assassina, destrói e semeia o medo.

Explico ao meu filho, explicamos o pai e eu, que a # não é terrorista, claro que não. E decidimos que, apesar da tenra idade, vamos acompanhar o possível deste tipo de notícias com ele, em casa, em família, onde podemos, pelo menos, acompanha-lo nas suas dúvidas e temores e ensina-lo a não odiar. Ensina-lo que, apesar de não compreendermos as opções dos outros, de não partilharmos da mesma opinião muitas vezes, não somos necessariamente inimigos. Mas ensina-lo, também, que respeitar não significa submetermo-nos a ou abdicarmos de nós próprios, dos nossos hábitos, costumes ou crenças e muito menos significa viver no medo, embora, nunca como hoje, o medo faça parte da nossa vida.

José Saramago também disse, O mundo é tão bonito e eu tenho tanta pena de morrer.

18.Ago.17

Sobre a Razão e a Lucidez.

naomedeemouvidos

"O difícil não é viver com as pessoas, o difícil é compreendê-las."

"Se não formos capazes de viver inteiramente como pessoas, ao menos façamos tudo para não viver inteiramente como animais."

"Os únicos interessados em mudar o mundo são os pessimistas, porque os otimistas estão encantados com o que há..."

"Tolerar a existência do outro e permitir que ele seja diferente, ainda é muito pouco. Quando se tolera, apenas se concede, e essa não é uma relação de igualdade, mas de superioridade de um sobre o outro."                                                                                           José Saramago

17.Ago.17

As novas armas de guerra terroristas.

naomedeemouvidos

Há uma nova arma terrorista. Ao alcance de quase qualquer um e esgotadas que estão, de momento, as hipóteses bem-sucedidas de (voltar a) guiar estratégica e mortalmente aviões para atentar contra o modo de vida de sociedades diferentes, camiões, carrinhas e automóveis (por enquanto) tornaram-se no novo armamento de guerra dos extremistas-barra-terroristas-barra-anarquistas-barra-loucos, simplesmente. Menos sofisticados, menos equipados, menos preparados, mas igualmente dementes e mortíferos, os novos terroristas não saem da cidade, não se deixam levar para lugares inóspitos e longínquos; basta-lhes sair de casa, como que para dar um passeio, sem levantar a menor suspeita.

Desta vez, o alvo foi Barcelona. Mais exactamente, a incontornável e fremente avenida Las Ramblas. Já há dois mortos e a polícia já confirmou que se trata de um ataque terrorista. Mais um ataque terrorista. Que outra coisa poderia ser, de facto? Alguma acção mais “enérgica” daqueles movimentos anti-turistas? E isso não seria, igualmente, terrorismo?

Ninguém está a salvo destes dementes. A questão já não é se vai acontecer; é quando e onde será o próximo alvo. Por isso é que é chocante ouvir defender que a “culpa” do que aconteceu, por exemplo, em Charlottesville é de “ambas as partes” e que também há “pessoas boas” (na expedita linguagem dessa criatura que se tornou presidente dos EUA) nos grupos radicais e fascistas de extrema direita. O que haverá de bom em alguém que odeia outro alguém, só porque sim? O que haverá de bom em alguém que publica, acerca de uma mulher brutalmente assassinada, que ela é “gorda, inútil e sem filhos”? O que haverá de bom em alguém que, de forma vil e cobarde, abalroa uma multidão indefesa com o único objectivo de provocar o maior número de vítimas possível? O que haverá de bom em alguém que se move apenas pela mais insana e colérica animosidade contra outrem, só porque é diferente, seja lá o que isso for?

Pág. 1/3