Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A profecia (continua).

por naomedeemouvidos, em 19.12.18

    Na pequena Capela, os cardeais escutam, em absoluto silêncio, o juramento solene que o carmelengo vai desfiando, como um rosário, sob a viva encarnação do dilúvio que de novo ameaça precipitar-se em apoteótica e anunciada vingança. Os mantos escarlates agitam-se ao de leve, acusando a inquietude dos homens; sob a ténue luminosidade do lugar, lembram uma macabra poça de sangue, do sangue dos mártires recolhido debaixo da cruz, de braços abertos sobre a colina onde, como previsto, tudo se virá a extinguir.

    O carmelengo procede, agora, à ordeira e solene avocação, cada cardeal prometendo, obrigando-se, jurando, assim o exige o momento, assim o impõe a tradição. Os homens caminham com inusitado pesar, de um lado, Moisés morrendo, magnífico, às mãos de Signorelli, do outro, Pedro, ajoelhando, aceitando de Cristo as chaves do Céu, no tecto, recostado, jaz Adão em indolência, recebendo de Deus o princípio da vida, que ironia. Uma brisa fantasmagórica sopra, suave e doce, acariciando a túnica e os cabelos brancos do Pai que abriga e abraça a amorosa figura feminina, em acalentada espera, rodeada de anjos sobre o perturbador emaranhado de dobras do imenso manto.

    Decorrerão, ainda, dias até que cada um deposite, com agravo, o nome do escolhido na bandeja de prata, levada à boca do vaso de vidro, não sem antes o lavrar num pequeno rectângulo de papel, de branco imaculado, eligo in summum pontificiem, o epíteto numa caligrafia clara e elegante. Em frente, atrás do altar, a terrível advertência do juízo final, sublime, maravilhosa, um turbilhão de anjos e a ressurreição dos mortos.

    Quando a fumata branca anunciar, finalmente, aquele que é o eleito, não haverá um único daqueles homens que não cisme na visão profética do santo, tantos anos antes.     

publicado às 20:17


“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

Layout

Gaffe


naomedeemouvidos@gmail.com


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.