Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sua Alteza Real, D. António Costa.

por naomedeemouvidos, em 26.03.19

São já bastantes as piadas com as nomeações familiares para o Governo de maioria socialista. Da lista de convidados para a festa de aniversário, ao novo slogan "jobs for the family", passando por uma espécie de ordem de sucessão monárquica. A questão podia, de facto, ter graça, mas estende-se para lá da anedota e espanta-me o despudorado à-vontade com que tudo se passa, mesmo debaixo dos nossos eternamente mansos narizes. Fosse o Governo da República uma dessas coisas a que chamam SAD, ou lá o que é, de um (não exactamente) qualquer clube de futebol e o caso já tinha levantado coloridas ondas de indignação em tudo quanto é social, com elevado destaque para as redes.

 

António Costa goza de tempos admiráveis. Com uma oposição política praticamente inexistente (Rui Rio, o que te aconteceu, homem, o que te fizeram??) e senhor dos ímpetos acusadores do PCP e do BE – que manipula com desmesurada arte e o triplo da arrogância – subiu ao paraíso. De manto e coroa. Pode pôr e dispor sem azias.

 

Catarina Martins, que, noutros tempos, se atiraria, seguramente, de cabeça à menor suspeita de tentativa de nepotismo subjacente à prática que parece ter inundado o Parlamento do Costa, Familiares e Amigos, Lda, veio, cândida e casta, de mansinho, pedir alguma reflexão aos responsáveis socialistas. Comove-me sempre o tratamento cordato entre opositores políticos. Só não sabia que, por cá, podiam emergir de forma tão natural e espontânea, quando menos se espera.

 

Carlos César – como não?! – ficou surpreendido com o teor de tais acusações. Aproveitou para lembrar a dona Catarina que, na sua bancada, também há quem sofra do mesmo mal, a abundância de relações familiares. Que não chega bem a ser um mal, evidentemente. Carlos César acha bastante normal, natural, que "em determinadas famílias onde essa vocação e essa proximidade se multiplicam, as pessoas tenham um empenhamento cívico similar". E Carlos César é bastante empenhado, a nação já o sabe há muito. O empenho vai ao ponto de se duplicar, coitado, em viagens entre a ilha e o continente, para cumprir de forma exemplar a sua tremenda vocação. O país fica a dever-lhe muito, portanto, pelo sim, pelo não, o melhor é cobrar subsídios e ajudas de custo. Em duplicado.

 

Entretanto, parece haver mais um nascimento na família socialista, altamente empenhada e vocacionada. Li, mas fiquei um pouco ourada (para quem não sabe, é equivalente a zonza, ou tonta, e diz-se no meu maravilhoso Porto; não sei porquê, pareceu-me apropriado).

 

Disse o novíssimo ministro Pedro Nuno Santos que as pessoas – ou, pelo menos, a sua “gira, divertida e inteligente” mulher, por exemplo – não devem ser menorizadas no seu percurso profissional em virtude dos seus graus de parentesco. É um facto. Com tanta a gente a não ser menorizada ultimamente, Portugal ainda se arrisca a ser grande outra vez. Nem a Real Academia de La Historia, mais o jornaleco ABC, se atreverão a voltar a abocanhar, com ganância, os nossos feitos passados. Com traições ou sem elas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:27

O artigo 13 (que passou a 17).

por naomedeemouvidos, em 26.03.19

”Directiva dos direitos de autor é aprovada numa vitória para as indústrias de conteúdos.”

 

Será mesmo o fim da Internet?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:49

No silêncio.

por naomedeemouvidos, em 26.03.19

Sentado na mesa à minha frente, o homem fala num italiano baixo e levemente rouco. Tem o guardanapo pousado no colo, de forma descuidada, enquanto engole a coca-cola directamente da garrafa de vidro demasiado baço, cujo gargalo segura com uma ligeira fúria, como se a esganasse, deixando que o gás se escape por entre um chiar manso, mas grave, como um pequeno balão que se esvazia em agonia.

Ao seu lado, uma morena voluptuosa de cabelo arrojadamente curto e negro como a asa sedosa de um corvo, vai ouvindo, distraída, sem desviar os olhos do écran do telemóvel que martela ritmadamente com a ponta do anelar inclinada, num exercício de espantosa agilidade à vista da alongada unha impecavelmente pintada de vermelho vivo. Tem umas mãos maravilhosas. Muito mais elegantes e sofisticadas do que o resto do conjunto, demasiado vulgar. Como o homem ao lado, que parece estorvar-lhe.

No outro canto da mesa, o menino mostra-se perdido num momento só seu, alheio ao desenrolar do monólogo seco. Tem o cabelo da mesma côr do da mãe. Percebi que é a mãe. Parece atento, no entanto; não exactamente àquele instante enfadonho. Vai movendo os lábios de forma quase imperceptível, como se falasse sozinho. Talvez não tivesse chegado a reparar, se não estivesse sozinha. Por um breve momento, podia, até, jurar que o vi sorrir. Um sorriso frio, quase um esgar que, por algum estranho motivo, me sobressalta. Parece entretido, numa cumplicidade muda e algo sinistra. Lembrei-me de que as crianças podem ter amigos imaginários, dizem. Alguns podem ser anjos, outros demónios.

O menino levanta, inesperadamente, os olhos para mim, como que avisado da minha indecorosa intromissão. São de um azul quase transparente. Os olhos. Frios, como o sorriso - estou, agora, certa - que lhe surpreendi há pouco. E, então, vi-o. O demónio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:49

Sorria - ou não - mas está a ser filmado.

por naomedeemouvidos, em 26.03.19

big brother.PNG

aqui

 

No passado Domingo, no programa “60 minutos” que passa na Sic Notícias, falava-se no esplendor da vida no Principado do Mónaco, esse romântico – eventualmente trôpego (lá para o fim do dia) – pequeno Estado debruçado sobre o azul celeste (tem dias) do Mar Mediterrâneo, no sul de França, fundado pela excelsa Casa de Grimaldi. Entre todas as extravagantes excentricidades (parece redundante, mas, já se sabe, o Mónaco é especial) e abastadas ilusões que por lá se podem experienciar – haja dinheiro, que é como quem diz, aos montinhos… – a  reportagem chamava a atenção para o fortíssimo, permanente e (quase) omnipresente sistema de vigilância electrónica sobre todos os cantos, recantos, ruinhas, ruelas, avenidas e demais recônditos públicos do elegante principado. E, assim, à mais leve tentativa de perturbação da ordem pública – como uma ligeiríssima infracção de trânsito – a polícia entra em acção. Há, por isso, uma enorme sensação de segurança, como testemunhava um dos chiquérrimos entrevistados. A criminalidade no Mónaco é residual e o apertado controlo policial é apontado como um dos motivos.

 

Não que o Mónaco sirva muitos exemplos, mas ocorreu-me a nada nova discussão sobre o que devemos valorizar mais: a segurança ou o direito à nossa privacidade pessoal-barra-social? Não imagino possível ambicionar a ambos. Provavelmente, já nem teremos a opção de escolha. Se não somos nós mesmos – tantas vezes, de forma absolutamente consciente – a entregarmos a chave da nossa vida a todos os conhecidos e desconhecidos com quem, eventualmente, nos cruzamos nas incontornáveis redes sociais, são outros tantos, de igual estatuto, a postar todos os instantes em que, com ou sem acaso, nos cruzamos diariamente, das refeições às férias, da roupa aos filhos, dos livros aos filmes, das paixões tórridas às discussões mais caseiras, de uma simples gripe ao drama das mais impressionantes e dolorosas histórias de doença e morte. Há dias, uma inconsequente notícia côr-de-rosa dava conta do enfado de uma celebridade por não poder visitar tranquilamente, com os filhos, um local público, tal era a perseguição de que se sentira alvo; é a mesma celebridade, no entanto, que – como tantas outras – se dedica a expor, regularmente, fotografias da sua vida pessoal, incluindo, as crianças, para gaudio dos milhões de fiéis que adoram (per)segui-la (e à respectiva família), clique-a-clique, um like de cada vez.

Seguramente parece, mas, chega bem (nem pretendo) a ser crítica. Pelo menos no sentido de julgar, era o que faltava. Tal como eu, cada um - celebridade ou não - publica o que muito bem lhe apetece, seja pessoal ou impessoal. É apenas a constatação de que vivemos cada vez mais publicamente, e que não é possível – nunca foi – ficar com o melhor de dois mundos. Resta saber de qual deles preferiremos abdicar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

Almas Gêmeas.

por naomedeemouvidos, em 26.03.19

Que ternura...vestidinhos de igual e tudo...

Trump--.PNG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:30



“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos...

Eu Sou Assim

Idade - Tem dias.

Estado Civil - Muito bem casada.

Cor preferida - Cor de burro quando foge.

O meu maior feito - O meu filho.

O que sou - Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa.

Irmãos - Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo.

Importante na vida - Saber vivê-la, junto dos amigos e da família.

Imprescindível na bagagem de férias - Livros.

Saúde - Um bem precioso.

Dinheiro - Para tratar com respeito.


Layout

Gaffe


Arquivo



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.