Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Das penas.

por naomedeemouvidos, em 12.05.19

penas.PNG

 

 

Por vezes, fazemos algo absolutamente imbecil. Nesses momentos, é bom quando temos alguém que nos lembra que somos mais do que aquele estúpido instante; que fazer uma idiotice não é o mesmo que ser idiota. Depois, basta fazer um esforço por acreditar, enquanto deixamos o tempo passar, à espera que se amanse o desassossego. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:57

Mercados de Alma.

por naomedeemouvidos, em 12.05.19

Mercados.PNG

 

Como habitualmente, o mercado fervilha de gente, de cores, de cheiros. As vozes misturam-se numa azáfama dinâmica e exuberante, fregueses e mercadores em perfeita harmonia, cada um fazendo-se valer de verbo próprio e escorreito, mais pelo prazer do jeito de regateio ensaiado do que por qualquer outra coisa. Ainda assim, às vezes o cliente agrada e convence, uma batota fugaz e consentida que ninguém leva demasiado a sério. Afinal, há, maioritariamente, clientes habituais. Os turistas não vêm, propriamente, comprar. Vêm misturar-se com as gentes, fazer parte da amálgama calorosa que anima o comércio da vila, pasmar com a arte da peixeira que amanha o pescado com esmerada alegria, como quem prepara um filho para a primeira comunhão.

 

Há algo naquele burburinho de vozes que vibram e se agitam como o restolhar das pregas de um longo vestido, naquele emaranhado colorido de odores, que atiça em mim uma memória sempre viva dos mercados de Marrocos, com a sua audaciosa mescla de tons, ora vibrantes, ora suaves, sempre inquietos. Irrequietos.

 

O ar torna-se ligeiramente mais quente, como se previa, antecipando a chegada do Verão. Daí a pouco, hei-de cruzar-me num acaso, por acaso, com um condutor de Casablanca a quem o sistema de navegação pregou uma inusitada partida, e uma onda imensa de saudade tomará conta do resto de mim, enquanto me esforço por conter as lágrimas que soltarei, em silêncio, apenas quando ficar sozinha.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

O riso de Berardo.

por naomedeemouvidos, em 12.05.19

Berardo.PNG

"- Ah, ah, ah. Quem manda na colecção, na associação, é o Conselho de Administração", informa, zombateiro, Joe Berardo, enquanto bate com as palmas das mãos em cima da mesa, marcando o andamento do gozo.

 

"- Quem é que escolhe o Conselho de Admistração?", pergunta Cecília Meireles, lançando, para o lado, um olhar algo enfastiado, descortinando a resposta óbvia que toda a gente conhece.

 

"- Sou eu!", responde Berardo, num asserto desleixado por se ver obrigado a salientar o óbvio, sem, no entanto, deixar de provocar algumas gargalhadas entre os seus interlocutores, que o assunto é de comédia.

 

"- E se a Caixa e os outros bancos executarem a penhora?", continua Cecília.

 

"- Eles que façam", instiga, seguro, Berardo, "têm todo o direito".

 

"- Mas se o fizerem, deixa de ser o senhor a mandar", insiste Cecília.

 

"- Ah, ah, ah!", devolve Berardo, para, a seguir, lançar um desculpe de mau pagador - como diz o povo, e o comendador confirma - antes de ser repreendido pelo advogado com uma oportuna e, portanto, sábia, palmadinha no braço.

 

Desprevenido, em frente ao televisor - e enquanto nos contemos para não soltar impropérios (já bastam os que lá estão) - o meu filho pergunta, olhando para nós: "A sério, que ele se riu assim?"...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

Natália Correia

por naomedeemouvidos, em 12.05.19

natalia correia.PNG

ANTOLOGIA DE POESIA PORTUGUESA ERÓTICA E SATÍRICA (DOS CANCIONEIROS MEDIEVAIS À ATUALIDADE)

 

"O livro que levou Natália ao tribunal."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:30



“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos...

Eu Sou Assim

Idade - Tem dias.

Estado Civil - Muito bem casada.

Cor preferida - Cor de burro quando foge.

O meu maior feito - O meu filho.

O que sou - Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa.

Irmãos - Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo.

Importante na vida - Saber vivê-la, junto dos amigos e da família.

Imprescindível na bagagem de férias - Livros.

Saúde - Um bem precioso.

Dinheiro - Para tratar com respeito.


Layout

Gaffe


Arquivo



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.