Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Portugal numa metáfora (pode ser numa pirâmide).

por naomedeemouvidos, em 17.07.19

CM.PNG

Começa assim: “Clayton Morris era apresentador da Fox News e é suspeito de montar um esquema semelhante ao da Dona Branca. Acossado com dezenas de queixas em tribunal, refugiou-se em Portugal”. E até rima.

Se for o caso, parece bastante apropriado, tendo em conta que, nos EUA, Bernard Madoff cumpre uma pena de 150 anos pela maior burla do género, viu um dos filhos suicidar-se vergado pela infâmia e o outro morrer de cancro acusando o pai de ser o responsável pela degradação do seu estado de saúde.

Portugal será o melhor país do mundo também para impedir maçadas do género. Acabo de ouvir, e ler, que, afinal, parece não haver indícios que possam configurar eventual gestão danosa no que diz respeito aos problemas (haveremos de encontrar uma palavra melhor) de gestão e créditos que geraram as perdas ruidosas de que se fala na Caixa Geral de Depósitos.

Não só a culpa tem o hábito de morrer solteira, como as más contas parecem casar bem com a crise financeira internacional. Há coincidências de que nem o diabo se lembra.

Ainda chegaremos a potência mundial no alojamento local de gente elegante, brilhante e instruída, sem tempo nem paciência para as minudências dos tribunais. É certo que temos, dizem, um problema de invejas incontidas, de tempos a tempos, contra gente com imenso sucesso e botões de punho, mas parece não fazer grandes estragos.

Se Clayton Morris prolongar a estadia, talvez se livre, pelo menos, das suspeitas. Imprudente, sim, danoso, nunca.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:03

Dos dias em que me incomodam coisas fúteis.

por naomedeemouvidos, em 17.07.19

As duas mulheres conversam ao balcão, enquanto tomam café e mordiscam uns bolinhos em miniatura, daqueles que nos cabem na boca de uma dentada que, a princípio, nem chega a sê-lo. A confeitaria tem um daqueles sistemas de cartões magnéticos onde alguém atento e competente, tem dias, regista os nossos miseráveis pecados da gula, para que, a seguir, os possamos expiar convenientemente naquela espécie de caixa registadora moderna, mesmo ali ao lado.

O ridículo deste sistema, neste local exacto, é que, frequentemente, a pessoa que, ao balcão, nos entrega o irremediável e enfadonho cartão é a mesma que, três ou quatro curtos passos à esquerda, nos há-de cobrar a penitência. Por acaso, nem era o caso, nesse dia. O caso é que, quando as mulheres se aperceberam que deveriam prestar contas a menos de dois metros do sítio onde estavam, já a fila de condenados se estendia por mais do que isso. Confrontados, umas e outros, com o assunto, houve quem mostrasse que não se incomodaria em ceder-lhes passagem. Afinal, já estavam ao balcão. O facto de, no momento, estarem a fazer o mesmo que faziam outros tranquilamente sentados nas mesas, e o mesmo que nós já tínhamos feito antes de nos alinharmos nas suas costas despreocupadas não parecia espantar ninguém, muito menos, demovê-los das graciosas intenções. De modo que, as duas foram recusando a simpatia. Até acabarem a degustação. Aí, tiveram, então, a amabilidade de informar a senhora que esperava exactamente à minha frente que, nesse caso, se colocariam atrás dela, com a licença de uma e a certeza de outra, de modo a liquidar a sua continha e a minha escassa paciência para subtilezas superlativas mas muito pouco absolutas, se não estou bem para aí virada. Há coisas muito mais importantes, e há dias em que não me apetece passar por parva.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:03



“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos...

Eu Sou Assim

Idade - Tem dias.

Estado Civil - Muito bem casada.

Cor preferida - Cor de burro quando foge.

O meu maior feito - O meu filho.

O que sou - Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa.

Irmãos - Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo.

Importante na vida - Saber vivê-la, junto dos amigos e da família.

Imprescindível na bagagem de férias - Livros.

Saúde - Um bem precioso.

Dinheiro - Para tratar com respeito.


Layout

Gaffe


Arquivo



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.