Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Espelhos de alma.

por naomedeemouvidos, em 08.03.19

Passo por ela todos os dias. Ela não chega bem a passar por mim. Porque me atravessa a alma em desalinho. Arrasta-me suspensa dos seus olhos negros e profundos que apenas vislumbro por entre a máscara de trapos que compõem o horrendo e espesso niquab. Apesar das correntes que a trazem agrilhoada, nesse dia como noutro dia qualquer, move-se com elegância. As mãos, cobertas pelas luvas pretas, opacas e decentes, como convém, parecem pequenas e graciosas. Vai deslizando os pés, suavemente, estrangulados nuns sapatos pretos, de biqueira arredondada, emergindo a lufadas curtas e rápidas, como um náufrago aspirando, sofregamente, os farrapos azedos do ar que ainda o mantém vivo. Pode caminhar na rua sozinha, sem a companhia decente de um homem, por isso, fatalmente encarcerada, sente-se livre. O mais livre que lhe permite a sua condição. Foi abençoada. Casou bem. De momento, o marido está em viagem de lua-de-mel com a segunda esposa. Ela autorizou. A primeira esposa goza desse privilégio. O de autorizar segundas esposas. Ou terceiras. A quarta, eventualmente. Todas devem viver com o mesmo imposto, abominável, conforto.

 

É estranho que não tenha filhos. Mas, talvez ainda não seja a hora. Não imagino a sua idade. Os olhos negros nem sempre me permitem a ousadia de os suster nos meus. Sou estrangeira e impura, não conversamos, jamais poderíamos ser amigas. E, no entanto, há algo, naquele silêncio que nos une, uma vez a cada semana, quando nos cruzamos, fugazmente, na rua, uma quietude imensa, avassaladora, que me arrelia e me inunda de contradições. Emociono-me, pasmo, rio, deslumbro-me. Nunca sinto pena, no entanto, não sei se deveria.

 

Não. Não somos amigas. Como poderíamos, sendo tão diferentes? Se nunca, sequer, a vi, inteira, pouco mais que uma sombra. E ninguém faz amizades futilmente, que disparate, com alguém que não conhece, com quem nunca trocou uma única palavra, apenas olhares breves, silêncios incontidos, em rebuliço, suspensos de um entendimento para lá do aceitável, dadas as circunstâncias. Acabarei por mudar-me e deixarei de me cruzar com a sua alma quase muda, vertida nos olhos profundos que me atormentam.

 

Por vezes, encontro-a noutros olhos, noutras almas, noutras amizades igualmente improváveis. E, muitas vezes, volto, imprudentemente, a emocionar-me.

 

publicado às 13:39

Entre as sombras.

por naomedeemouvidos, em 01.03.19

entre sombras.PNG

 

 

Subo a avenida do bairro chique e limpo alheio ao caos que fervilha no outro canto da cidade. Há um leve cheiro a jasmim, sem dor, nem nódoa, e vou olhando os edifícios elegantes e esterilizados, do outro lado da rua, perdida por detrás da lente da minha câmara. Os outros seguem mais à frente; os miúdos riem e falam de coisas que apenas adivinho, à distância. As árvores balançam, com graça, os ramos esguios, enquanto desenham suaves sombras tombadas no chão que, nada mais ajeitar-se o vento, de mansinho, escoam céleres pelos sumidouros rendilhados e brilhantes, em permanente galanteio.

 

Demoro um pouco a perceber que o homem se dirige a mim, especificamente. Energicamente. Nem o vi chegar. Parece um segurança, fardado, moreno, levanta a mão – não se atreve a tocar-me – e ordena-me que pare, sem que eu tenha chegado a entender uma única palavra. Percebo, intuitivamente, que fiz algo que não devia, mas, não falo a sua língua e, ele, nenhuma outra além dessa.

Uma foto. Percebo que aponta para a minha máquina fotográfica e mantém-me refém de uma suposta autoridade que me confunde. Continua no meu caminho, impassível, e sinto o calor apertar-me mais. Os outros, lá adiante, parecem distraídos. Não tarda, escapam-se, à esquina da rua, e deixarei de os ver. Amaldiçoo-me por me ter deixado ficar tão para trás, eu e os meus malditos instantes. Irrepetíveis, urgentes, inadiáveis.

 

Encaro o homem na minha frente. Estou segura, agora, de que se trata de um problema com alguma ou algumas das minhas fotografias. Mostro o écran da máquina e pergunto se devo apagar alguma coisa – não desconfio, sequer, o quê –, imaginando que me faço entender de algum modo. Segura na mão um walkie-talkie algo obsoleto que aproxima do rosto enquanto olha para mim. Percebo que fala com alguém e é evidente que aguarda instruções. A esquina está cada vez mais próxima, mas, não quero chamar, com receio de elevar demasiado a voz e acabar por denunciar a aflição tonta que me agonia. O riso das crianças chega-me já encolhido, pálido, e o calor ameaça confundir-me irremediavelmente.

 

Perco-me por momentos, entre as sombras e os cantos do tempo, até o homem começar a chamar-me, uma cacofonia insistente e confusa. Acaba por tocar-me no braço, à altura do cotovelo, leve, mais suavemente do que sugere o enorme chinfrim em que pretende que eu o entenda. Mas compreendo que posso ir, afinal, não há problema. E, que houvesse, não cheguei a entender que seria. Num devaneio algo infantil, desejo, intimamente, poder falar e entender todas as línguas do mundo.

 

Acabam de chegar à esquina quando se voltam, finalmente, para trás. Mas, já está tudo bem. Volto a escutar as gargalhadas, agora, cristalinas, inocentes e alegres como antes.

publicado às 22:41

À esquina da memória.

por naomedeemouvidos, em 18.02.19

Tempo 3.PNG

(imagem própria)

 

O tempo não volta para trás. Mas, podemos sempre evocá-lo, sem pressa, como um suave sussurro soprado ao ouvido.

 

 

publicado às 08:00

A arrogância da vida.

por naomedeemouvidos, em 17.02.19

E, às vezes, nem mesmo o vento se ouve passar.

Vida 2.PNG

 

Vida 3.PNG

 

Vida 4.PNG

 

(imagens próprias)

 

 

 

 

publicado às 18:27

A Gaffe ao meu ouvido.

por naomedeemouvidos, em 20.01.19

    Não recordo bem a data em que iniciei este blog. É-me completamente indiferente. Não gosto de dias de…uma ou outra vez esquecemo-los, por algum motivo estéril, e, sem querer, ofendemos alguém que nos é muito querido. Os meus mais queridos já me conhecem e perdoam-me.

    Creio que tem cerca de dois anos. O blog. Sem eu perceber bem como, esta estupenda rapariga passou por cá. Talvez a caminho das suas avenidas, cheia de graça e elegância, num doce balanço, astuta, crítica, inteligente, indomável. Seguramente, generosa. Imagino-a também generosa. Daquela generosidade que aquece sem estalar, como um suave sol de Inverno. Dizem que os ruivos, as ruivas, são raros e, por isso, especiais. É o que dizem.

    Deu-se o caso, o assombroso acaso, de nos cruzarmos virtualmente; e eu, que não acredito em coisa nenhuma que mereça a pena à primeira vista, sucumbi sem nada ver, por castigo ou por virtude, enxergando, afinal, mais do que esperava, sem saber como retribuir o carinho a que, talvez por tonta e démodé teimosia, por pudor desmesurado, não ouso chamar amizade. Afinal, no meu tempo, não era assim. Hei-de vir a cumprir penitência.

    À Gaffe, mais as suas admiráveis avenidas, o meu enorme obrigada. Por ter vestido com primor e mestria este pequeno espaço que, acabei por perceber, apavorada, não é meu somente. Agradeço-lhe pelo tempo, pela paciência…pelo atrevimento. Obrigada, querida Gaffe!

 

    Estou absolutamente certa de que todos os que por aqui se perdem, incautos, honrando-me com a sua passagem e presença, ficarão tão pasmados quanto eu, neste momento. A todos esses, a todos vós, agradeço também o desassombro.

publicado às 19:35

Desassossegos.

por naomedeemouvidos, em 11.01.19

    Tornaram-se amigas à primeira vista. Tinham em comum uma alegria despreocupada e o riso fácil, e a empatia foi imediata. A espanhola era dez anos mais velha, mas não se notava, era magra, elegante e jovial, aquele tipo de mulher afortunada a quem até o trapo mais deslavado fica bem.

    Naquele dia, combinaram encontrar-se no café habitual. Quando chegou, a amiga já lá estava. Pediu um chocolate quente, espesso, e um mil-folhas, que, agora já sabia, não se dizia assim, em espanhol. A primeira vez, precisou de esperar que a amiga controlasse o ataque de riso, até ser capaz de lho explicar. Depois, tinham rebentado as duas em novas gargalhadas, até as mulheres de hidjab, da mesa ao lado, serem obrigadas a tapar ainda mais a cara, para esconderem e sufocarem as suas. Mas nunca mais se enganara.

    Desceram a rua até à medina, para as compras do dia. Saudaram o porteiro do hotel, onde a espanhola vivera mais de seis meses, logo após a chegada.

    Não havia, como agora, grandes supermercados e centros comercias cosmopolitas e arejados, pelo que, as compras, faziam-nas no mercado tradicional.

    Mergulharam nas entranhas fervilhantes de cores e sons que, como sempre, animavam as manhãs da velha medina. Comparam alhos, fruta, azeitonas e ovos e encaminharam-se para a parte do mercado do peixe. Pelo caminho, encontraram-se com as habituais crianças, minúsculas, pés desnudados, sujos, enfiados nos miseráveis e disformes chinelos, apesar das baixas temperaturas de Inverno. Como sempre, os miúdos ofereceram ajuda para transportar os sacos de compras a troco de algumas moedas. Como sempre, recusaram – como poderiam aceitar, os sacos maiores que os meninos que pertenciam à escola e aos pátios dos recreios, não ali. Em vez disso, como tantas vezes, comparam-lhes pão, grande, redondo e espalmado, a cheirar a fresco e a forno a lenha. Passava o aguador, e ofereceram-lhes, também, sumo de laranja fresca. Os miúdos já as conheciam.

    Começavam a aproximar-se do mercado de peixe quando se aperceberam da quebra na rotina habitual. Havia pouca gente e as bancas estavam praticamente vazias. Não viram o Mustafa, que amanhava o pescado como ninguém, o prazer e a alegria do ofício vertidos num saber ardiloso que emprestava ao produto final um sabor único e imaculado.

    Nenhuma da duas falava árabe, mas faziam-se entender entre o espanhol e o francês. Uma jovem mulher, com o traje característico das gentes das cadeias montanhosas do Arife, estava sentada num degrau de escada e, na sua frente, uma paleta de cores vibrantes, rabanetes, aipo, laranjas, molhos de salsa fresca. Nem sempre, as verduras, as frutas e os legumes tinham aquela vivacidade. Aqueles, pareciam ter-se deixado encantar pelo arrojado vigor da vendedeira. Mas, não havia peixe, naquele dia. A mulher explicou que tinha havido tormenta, os pescadores não puderam sair e, por isso, as bancas estavam vazias. Mustafa também não tinha vindo, pelo mesmo motivo, nada de cuidado.

    Estavam quase a voltar para trás, quando deram pela súbita agitação. Várias pessoas começaram a correr para junto das bancas, num corrupio, em atropelos, uma cacofonia de sons estridentes entendíveis por todos, menos por elas. Na entrada oposta àquela a que se encontravam, ainda, surgiu um homem alto, transportando um enorme saco preto. Mesmo sem entender quase nada, perceberam que o homem trazia, no saco, algo que interessava a muitos dos que acudiam ao seu encalço. O homem gritava, via-se que chamava os outros a quem, provavelmente, já anunciara, na azáfama, o motivo de reboliço. Foi só quando ele se aproximou de uma das bancas vazias e despejou o conteúdo do saco que, as duas puderam, enfim, desvendar a macabra encomenda. Dezenas de dentaduras jaziam, tão esgotadas como os seus defuntos, na pedra onde, não muitas horas antes, os linguados e as lagostas estrebuchavam em represálias inconsequentes às mãos dos homens do mar. Olharam uma para a outra, sem conseguir articular palavra. Mas, mesmo no silêncio, entenderam-se, num alívio tão fugaz, quanto malogrado: pelo menos, não era na banca do Mustafa…

    Mais tarde, acabariam por rir do absurdo, resgatando a história das suas lembranças, pasmando com a dimensão da pobreza, invocando-a, muitas vezes, pela necessidade que ambas tinham de assegurar-se de que não havia sido, apenas, um breve delírio.

publicado às 13:56

Outros desejos para 2019.

por naomedeemouvidos, em 29.12.18

    A agência da CGD não está muito cheia, mas, o tempo escorre lento e as senhas, nos modernos e elegantes écrans, arrastam-se ao ritmo dos funcionários que sobram e sobrevivem às horas de serviço. O ano está prestes a terminar e ninguém tem pressa, excepto os que exasperam e desesperam no compasso de espera.

    Alheias às angústias dos crescidos, duas meninas brincam com as mãos, desfiando uma daquelas lengalengas que acompanham com palmas. Uma é negra, muito negra, e a outra é branca, muito branca, tão branca como a bandeira da Polónia, mas, as duas são amigas, brincam, riem e não se vêem diferentes, nessa diferença nojenta e absurda que nos humilha a todos, não só àquele que é diferente.

    Enquanto observo as duas meninas penso nos meus desejos para 2019 e, de repente, todos me parecem fúteis e vazios, indecentes, quase. Naquele momento, desejo apenas que aquelas duas crianças nunca deixem de ser amigas e nunca deixem de se ver assim, sem cor, sem medo, sem ódio. Desejo que possamos, não só, sobreviver aos Trumps, Bolsanaros e seus congéneres, mas remetê-los ao buraco imundo de onde nunca deviam ter saído, rastejando como vermes que são, miseráveis e abjectos. Não rezo. Se rezasse, seria para que este meu desejo se realizasse.

publicado às 12:40

Como Dixit?

por naomedeemouvidos, em 28.12.18

    Volto, então, ao Dixit. Não por publicidade. Não por publicidade ao jogo, pelo menos, mas aos bons momentos que proporciona.

    Deixo o rigor das regras para outros. Vou, apenas, dizer que o objectivo de cada narrador (nada mais do que um jogador na sua vez) deve descrever uma das cartas que possui em mão de forma a que algum dos outros jogadores a identifique, mas não todos, ou não ganhará qualquer ponto. Ou seja, subtil, e não explicitamente. Normalmente, à custa de uma frase curta, ou expressão. A seguir, cada um dos outros jogadores deve escolher, de entre as suas próprias cartas, aquela que mais se aproximar dessa descrição. E, muitas vezes, há várias que se adaptam, o que torna tudo mais interessante.

    Nos conjuntos que deixei, ontem, aqui, houve sempre alguém, mas não todos, a acertar na carta descrita pelo narrador; logo, cada narrador obteve a pontuação máxima.

    Vejam e comparem. E confirmem, se for o caso.

    O meu pai usou a expressão "vias de comunicação" para descrever esta carta:

Vias de Comunicação1.jpg

 

O meu filho usou "o principezinho" para descrever esta:

 

O principezinho1.jpg

 

O meu sobrinho, "a sofrer de depressão", para esta:

 

a sofrer de depressão1.jpg

 

E, a minha irmã, "enigma", para esta:

 

enigma1.jpg

 

Atrevam-se. E divirtam-se.

 

publicado às 20:47

Estórias de Natal.

por naomedeemouvidos, em 27.12.18

    Entre os vários livros que recebi como prendas de Natal consta a Biografia de José Saramago (Joaquim Vieira), oferecida pela minha irmã. Quem me conhece sabe como me fascina a sua obra, muito antes do prémio Nobel. Como aluna do ensino secundário, odiei ser obrigada a ler O Memorial do Convento, como odiei ser obrigada a ler Os Maias. Não sei bem porquê. Talvez por embirração. Mas, como ouvi alguém dizer, o bom da estupidez da juventude é que tende a passar com a idade. Alguma (felizmente, não toda) dessa, passou-me, efectivamente. Não que seja estúpido não gostar de Saramago ou de Eça – são gostos, e ainda(?) temos a liberdade de não gostarmos todos do mesmo –, mas é estúpido seguir a corrente sem questionar a sua (in)utilidade. De modo que, recorrentemente, retorno, de encantada vontade, ao “Ramalhete”, normalmente, nas férias de Verão, e nunca saberei expressar bem o que me maravilha em Saramago. Mas, vinha isto a propósito de uma curiosidade que desconhecia totalmente (que pequena vergonha!) e que descobri ao ler as primeiras páginas da biografia: que o apelido Saramago não era de família, foi acrescentado pelo funcionário do Registo Civil da Golegã (eventualmente, por despeito, por ser nome de erva daninha e a família, mal-amada), sem que ninguém se tivesse apercebido, no momento, da graçola. “Entrei na vida marcado com este apelido Saramago sem que a família o suspeitasse, e foi só aos 7 anos, quando, para me matricular na instrução primária, foi necessário apresentar certidão de nascimento, que a verdade saiu nua do poço burocrático (…)”. A peripécia tem outro detalhe engraçado, mas fica para depois…

    A maneira como nos entretemos na noite de Natal – findo o repasto que começa com o tradicional bacalhau cozido com batata e penca à moda do Porto, que a minha mãe prepara como ninguém e o meu pai tempera como o fazia o meu avô – foi variando ao longo dos anos, mantendo-se sempre, no entanto, a boa-disposição vertida no riso fácil e nas gargalhadas tolas que jorram, inconsequentes e alheias, pelo menos, nessas horas, às desgraças que nos atormentam noutros dias. No meio do disparate tão caótico quanto alegre e prazeroso, o meu filho corre em busca do livro das “piadas secas” e começa a ler, armado de tontos e deliciosos tiques, “um amigo pergunta ao outro, então, já te divorciaste; sim, e já chegámos a acordo quanto à casa, ela fica com um lado e eu com o outro; e com que lado ficaste tu; com o lado de fora”, e ainda rimos como parvos quando o meu sobrinho, 10 anos de traquinice pegada e arrojada, atira com um “olha, ficou com o lado maior!”, e a galhofa continua, que é tempo de tolice e ingénua aventurança, sem momentos correctos ou incorrectos, apenas genuínos.

    As horas escorrem vagarosas e férteis em afectos e empatias. Se o Natal deve ter algum significado, que seja o de sermos, realmente, plenamente, família. Há que passar o tempo para abrir os presentes que não trouxe o Pai Natal, que escândalo!, e que não chegará à meia-noite, mas quando quisermos, como quisermos, presos apenas à nossa identidade e à nossa circunstância.

    O meu filho arruma as piadas e traz o Dixit, um jogo que lhe foi apresentado por uma amiga que não tem televisão em casa. Porque pode. Tem amigos especialmente estranhos, o meu filho. Ou será estranhamente especiais? As cartas do Dixit têm ilustrações magníficas. Cada jogador analisa as suas, cada narrador apostado em dizer o suficiente, nunca em demasia, com a subtileza suficiente, a inteligência suficiente, para descrever algo sem dizer tudo, apostando nas meias-palavras, no que nos conhecemos, uns e outros, no que já vimos, no que já imaginámos, nas histórias que partilhamos no antes e no agora, um apelo à imaginação e à criatividade, ao pensamento dentro e fora da caixa, estas para descrever vias de comunicação

Vias de Comunicação.jpg

estas, para o principezinho

O principezinho.jpg

estas, para a sofrer de depressão

a sofrer de depressão.jpg

estas, para enigma

enigma.jpg

 

e, em cada conjunto, apenas uma é a acertada.

    É preciso experimentar. Pelo menos, uma vez. A magia da época. Amanhã, o meu filho faz 12 anos e é o meu milagre de Natal. Logo eu, que não acredito em milagres.

 

    Amanhã, passo por cá, e desvendo cada carta.

publicado às 16:22

Alienações.

por naomedeemouvidos, em 14.12.18

Leu, algures, uma indignação profundamente sentida, incontida, contra aqueles que se preocupam mais com a violência das paredes esventradas e dos monumentos históricos violados do que com o sofrer das gentes, com a miséria do povo, com as humilhações, a fome, a exclusão social, o domínio dos mais fortes sobre os mais fracos. A impossibilidade de arranjar tempo para dar vida aos sonhos, pois que todo o tempo se esgota na labuta diária, servindo um capitalismo sôfrego, bárbaro, que promove uma nova forma de escravatura de que as classes populares se fartaram. Afinal, o que são carros incendiados, vidros partidos, casas espoliadas, ruas calcinadas, quando comparados com o desamparo de quem trabalha de sol a sol sem que, ainda assim, o dinheiro chegue, ao menos, para comer dignamente, quanto mais, para levar os filhos ao cinema, ao jardim zoológico, para almoçar fora ou ir de férias? Era repugnantemente verdade e foi acometida por profundo sentimento de vergonha. Também ela se indignara com o que não se poderia indignar. E, no entanto, fosse por culpa da alienação das massas, da informação manipulada e tóxica, da bolha de conforto e ignorância saloia em que vegetava, ou por pura e descuidada cegueira, também ela não vira, ali, essa aviltante desgraça. Olhava e continuava a não ver, ali, naquela circunstância exacta, essa gente que, esmagada, sofre miseravelmente. Seguramente, não via mulheres iguais àquela que pobre fora toda a sua vida, porém, quase sem queixume. Aquela que parira dezena e meia de filhos, quando essa era a regra, que amara para lá o admissível um homem que toda a vida a mal-tratou, como também se esperava que fizesse, e que, teimosamente, já que insurgência maior não podia, a cada agrura juntava uma esperança nova; a cada lágrima, um sorriso, a cada fraqueza, uma força redobrada. Sempre se deixara comover por aquela alegria encarniçada e insana; sempre admirara a sua capacidade de resistir, enfurecidamente, furiosamente, contra todas as contrariedades; a desconcertante faculdade para continuar a sorrir e a sonhar, irritantemente, para lá do tolerável.

Também leu que só quem nunca conheceu a miséria se permite pensar ser mais grave a barbárie de danificar um monumento histórico do que a impossibilidade de sonhar, viver e alimentar a família. Soltou uma gargalhada cínica e deu por si a pensar que até na pobreza e na miséria, a dignidade, como a falta dela, se pode viver de forma tão desconcertantemente diferente...

publicado às 10:42



“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos...

Eu Sou Assim

Idade - Tem dias.

Estado Civil - Muito bem casada.

Cor preferida - Cor de burro quando foge.

O meu maior feito - O meu filho.

O que sou - Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa.

Irmãos - Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo.

Importante na vida - Saber vivê-la, junto dos amigos e da família.

Imprescindível na bagagem de férias - Livros.

Saúde - Um bem precioso.

Dinheiro - Para tratar com respeito.


Layout

Gaffe


Arquivo



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.