Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Demasiado, para um dia só!

por naomedeemouvidos, em 02.10.17

Carles Puigdemont montou, inteligentemente, a ardilosa armadilha. Mariano Rajoy, trôpega e ingenuamente, caiu. A grande questão é: e agora? De facto, a arte e a responsabilidade de gerir um país não é, de facto, para qualquer um...

 

Passos Coelho é, hoje, um homem violentamente derrotado. Apostado num "diabo" que não chegava (e não chegou, a não ser a ele) e sem nunca ter conseguido digerir o afastamento do renovado cargo de primeiro-ministro pela habilidosa geringonça de António Costa e companhia, fez o PSD refém da sua amargura. Os resultados estão à vista.

 

Isaltino Morais deve estar a rir a bandeiras despregadas. Se eu fosse eleitor por Oeiras, hoje não sairia de casa com vergonha de que me confundissem com um dos seus apoiantes.

 

Nos EUA de Donal Trump, a demência prossegue em directo e em catadupa. Nem é preciso provocar a Coreia do Norte: o "homenzinho do foguete" tem muitos "amigos" armados e explosivos, mais neuróticos do que ele, dispostos, também a matar sem dó nem piedade. Desta vez, foi em Las Vegas...

 

Há dias em que é preciso fazer um esforço enorme para não sucumbir à escuridão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:24

As novas armas de guerra terroristas.

por naomedeemouvidos, em 17.08.17

Há uma nova arma terrorista. Ao alcance de quase qualquer um e esgotadas que estão, de momento, as hipóteses bem-sucedidas de (voltar a) guiar estratégica e mortalmente aviões para atentar contra o modo de vida de sociedades diferentes, camiões, carrinhas e automóveis (por enquanto) tornaram-se no novo armamento de guerra dos extremistas-barra-terroristas-barra-anarquistas-barra-loucos, simplesmente. Menos sofisticados, menos equipados, menos preparados, mas igualmente dementes e mortíferos, os novos terroristas não saem da cidade, não se deixam levar para lugares inóspitos e longínquos; basta-lhes sair de casa, como que para dar um passeio, sem levantar a menor suspeita.

Desta vez, o alvo foi Barcelona. Mais exactamente, a incontornável e fremente avenida Las Ramblas. Já há dois mortos e a polícia já confirmou que se trata de um ataque terrorista. Mais um ataque terrorista. Que outra coisa poderia ser, de facto? Alguma acção mais “enérgica” daqueles movimentos anti-turistas? E isso não seria, igualmente, terrorismo?

Ninguém está a salvo destes dementes. A questão já não é se vai acontecer; é quando e onde será o próximo alvo. Por isso é que é chocante ouvir defender que a “culpa” do que aconteceu, por exemplo, em Charlottesville é de “ambas as partes” e que também há “pessoas boas” (na expedita linguagem dessa criatura que se tornou presidente dos EUA) nos grupos radicais e fascistas de extrema direita. O que haverá de bom em alguém que odeia outro alguém, só porque sim? O que haverá de bom em alguém que publica, acerca de uma mulher brutalmente assassinada, que ela é “gorda, inútil e sem filhos”? O que haverá de bom em alguém que, de forma vil e cobarde, abalroa uma multidão indefesa com o único objectivo de provocar o maior número de vítimas possível? O que haverá de bom em alguém que se move apenas pela mais insana e colérica animosidade contra outrem, só porque é diferente, seja lá o que isso for?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:40

Pena de morte, sim ou não?

por naomedeemouvidos, em 09.08.17

As notícias de violência sobre crianças dão-me sempre volta ao estômago. E, quando envolvem condenações por pena de morte, mexem com as minhas crenças, que nada têm de religiosas.

Nos EUA, uma mulher de 29 anos foi condenada à pena de morte por deixar morrer uma criança (uma prima) de dez(!) anos, fechada numa caixa, exposta a temperaturas superiores a 37 ºC. Parece que a menina roubou um gelado e, pasme-se!, esse foi o seu castigo. Sete intermináveis e sufocantes horas, confinada a uma caixa de plástico, sob um calor assassino. Inacreditável, não é, como alguém pode exercer tanta maldade? Também parece que, anteriormente, a menina já tinha sido obrigada, pela mesma prima e outros “adultos” com quem habitaria, a “beber molho picante, a comer excrementos de cão e a pisar latas de alumínio com os pés descalços”, segundo relata o jornal Público. O que não terá sofrido aquela criança!

A demoníaca mulher foi condenada à morte, mas pergunto-me se essa é uma punição adequada. Por outro lado, o que será “adequado” como castigo exemplar para alguém que é capaz de tamanhos actos de barbárie contra uma menina de dez anos? O que move alguém a exercer tamanha violência sobre outro alguém, ainda mais, à sua responsabilidade? Maldade? Inveja? Loucura? Era aqui que eu gostava de ter aquela fé inabalável na justiça divina, onde todos seríamos (seremos?) chamados à presença desse Deus misericordioso e por Ele julgados, encontrando aí, finalmente, a punição à altura do crime e a recompensa dos justos. Será menos insuportável para quem acredita?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:08

O presidente dos Estados Unidos e o líder norte-coreano resolveram brincar aos jogos de guerra. De ameaça em ameaça, dois alienados divertem-se a trocar “mimos balísticos”, olha que a minha ogiva é maior do que a tua, e o resto do mundo encolhe-se, imagino, enquanto reza (os que acreditam) a todos os santinhos para porem alguma ordem nisto.

Enquanto Kim Jong-un está preparado para dar uma “lição severa” aos EUA, Donal Trump ameaça “brindar” a Coreia do Norte com “fogo e fúria como o mundo nunca viu”. Nós é que não estamos preparados para nada disto, digo eu, pelo que, convinha que alguém que perceba alguma coisa disto tomasse as rédeas da situação, ou a humanidade vai acabar muito mais cedo do que previa Stephen Hawking aqui há uns meses atrás…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:33



“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos...

Eu Sou Assim

Idade - Tem dias.

Estado Civil - Muito bem casada.

Cor preferida - Cor de burro quando foge.

O meu maior feito - O meu filho.

O que sou - Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa.

Irmãos - Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo.

Importante na vida - Saber vivê-la, junto dos amigos e da família.

Imprescindível na bagagem de férias - Livros.

Saúde - Um bem precioso.

Dinheiro - Para tratar com respeito.


Layout

Gaffe


Arquivo



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.