Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A propósito dos fracos.

por naomedeemouvidos, em 29.12.18

 

    “Um político deve ter a habilidade de prever o que irá acontecer amanhã, na próxima semana, no próximo mês e no próximo ano. E a habilidade de explicar, depois, por que nada disso aconteceu", Winston Churchill.

    E, no entanto, há políticos a quem falta, não só a habilidade para prever, como a competência para gerir, e a decência para assumir o que podem, seguramente, explicar porque aconteceu, como aconteceu.

    Em entrevista à TSF, António Anselmo, presidente da Câmara de Borba, declarou-se orgulhoso enquanto português. Parece que o senhor presidente de câmara nem sempre se orgulhou de tal e até já duvidou, noutras ocasiões, do Estado. Ninguém diria. Mas não desta vez. E esta é a vez em que o Estado decidiu avançar com as indemnizações às famílias das vítimas da previsível e fatídica derrocada da estrada 255.

borba.PNG

imagem aqui

    Há um tipo de pobreza que enoja. É a pobreza indecente do tipo da do senhor António Anselmo que, para vergonha minha, enquanto portuguesa, é presidente de uma Câmara do país a que chamo meu. O senhor que se orgulha da atitude do Estado, é o mesmo que ignorou o alerta de perigo que a estrada representava, mesmo depois de lhe terem explicado porquê. Segundo esta notícia do Público, de acordo com a acta da assembleia municipal de 27 de Dezembro de 2014, “António Anselmo deixou clara a intenção de organizar uma reunião alargada”, sobre a situação que veio a revelar-se trágica. Mas a reunião não chegou a ser convocada. O senhor Anselmo ainda não olhou para os documentos. Di-lo "sem qualquer tipo de desculpa" e, acrescento eu, sem qualquer tipo de vergonha. Com a mesma aviltante pobreza, pensou que, se realmente “houvesse perigo”, a Direcção Regional da Economia do Alentejo – responsável pelo memorando que alertava para isso – tê-lo-ia “avisado novamente”. Tal-qual. Isto, apesar de, já em 2006, um estudo referir uma fracturação da jazida de mármore por onde serpenteava, inocente, a EN255. O senhor presidente Anselmo parece que também desconhece o estudo. Ninguém lho mostrou. E, orgulhoso que está, mantém a decisão de não se demitir. Hoje, como há pouco mais de um mês, quando a sua ignorância abriu a porta à desgraça que matou, estupidamente, cinco pessoas, António Anselmo afirma que a demissão é “própria dos fracos”. E, fraco, é coisa que o senhor Anselmo não é. Afinal, dos fracos não reza a história, e eu gostava que a história rezasse deste, e não apagasse tragédias como as de Borba. Para que, se não o respeito, pelo menos o pudor e a decência, obrigassem os políticos, entre eles, os presidentes de câmara, a desempenhar os seus cargos com lisura.

    Infelizmente, ao contrário do senhor Anselmo, não estou tão orgulhosa deste estado português. Mas, era capaz de me orgulhar, se os Anselmos da vida política portuguesa desaparecessem do mapa, como por escandalosa incúria fizeram com a estrada de Borba.

 

publicado às 20:04




“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos...

Eu Sou Assim

Idade - Tem dias.

Estado Civil - Muito bem casada.

Cor preferida - Cor de burro quando foge.

O meu maior feito - O meu filho.

O que sou - Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa.

Irmãos - Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo.

Importante na vida - Saber vivê-la, junto dos amigos e da família.

Imprescindível na bagagem de férias - Livros.

Saúde - Um bem precioso.

Dinheiro - Para tratar com respeito.


Layout

Gaffe


Arquivo



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.