Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Coisas da educação.

(eventualmente, sem interesse nenhum)

por naomedeemouvidos, em 31.10.19

Há cerca de quatro anos, os programas das disciplinas de "Física e Química A" e de "Matemática A" (entre outros) sofreram algumas alterações, quer ao nível dos programas (dizendo de uma forma simplificada), quer ao nível do modelo dos respectivos exames nacionais.

Em ambos os casos, para a realização do respectivo exame nacional, os alunos devem ser portadores também de uma máquina de calcular (o modelo deve constar da lista das calculadoras permitidas fornecida pela Direcção-Geral de Educação).

 

No caso de "Física e Química A", os alunos podiam utilizar uma calculadora gráfica e fazer pleno uso de todas as suas funcionalidades, o que tanto lhes permitia  encontrar, por exemplo, por regressão linear, a equação da recta que melhor se adapta a um conjunto de pontos, como encher a memória da bicha com uma série de auxiliares de memória, principalmente, conceitos teóricos e fórmulas que não constassem do formulário de exame. Talvez para limitar esta espécie de batotice, foi decidido, já após o início do ano lectivo de 2016/2017, que, logo nesse ano, os alunos que se propusessem a exame nacional daquela disciplina poderiam apenas usar calculadoras científicas não alfanuméricas. Nada, portanto, das calculadoras gráficas que usavam até aí e que continuariam (e continuam) a usar para o tratamento de dados experimentais associados às actividades experimentais.

Quando se pensava que passaria a ser esse o padrão, dois anos depois, em 2018/2019, a decisão é revertida e os alunos voltam a ser obrigados a usar calculadoras gráficas, activando a funcionalidade “modo de exame” para a realização da dita prova. Podem, portanto, continuar a usar as capacidades gráficas da máquina, mas, não podem aceder a qualquer informação que tenham, eventualmente, armazenada em memória.

 

No caso da "Matemática A". Os exames antigos constavam de um único caderno, os alunos dispunham de 150 minutos seguidos para a realização do exame (a que acresciam 30 minutos de tolerância) e, durante todo esse tempo, tinham acesso à calculadora gráfica, sendo que, apenas um de todos os exercícios constantes do exame podia ser resolvido graficamente. Nos restantes, ou os alunos podiam usar a calculadora apenas para cálculos numéricos, ou não a podiam usar de todo, estando essa instrução perfeitamente explícita no respectivo enunciado.

As alterações ao exame desta disciplina trouxeram um exame dividido em dois cadernos distintos, o primeiro a realizar com o auxílio da calculadora nas condições descritas acima, e um segundo caderno realizado sem o recurso à calculadora: terminado o tempo para a realização do primeiro caderno da prova, as máquinas eram recolhidas e era entregue o segundo caderno. O tempo efectivo para a realização da prova manteve-se, no total, o mesmo, mas com uma quebra de 5 minutos para aquela formalidade. Os exames de 2017/2018 e de 2018/2019 decorreram nestes moldes e, quando se esperava (por acaso, já desconfiava que não, tendo em conta o que acontecera com a disciplina de FQ) que, este ano, o modelo seria o mesmo, eis que nova alteração vem ditar que, afinal, o próximo exame nacional de Matemática A voltará a constar de um único caderno, com a máquina de calcular sempre presente, sendo que esta “será usada de acordo com o que vier a ser definido em ofício emanado da Direcção-Geral de Educação”.

 

Todos os anos se discutem os problemas do ensino em Portugal, nomeadamente, em relação aos modelos de avaliação. Acabar com os chumbos e acabar com os exames nacionais são ameaças recorrentes, como se aí residissem os males maiores da educação. E os sindicatos dos professores preocupam-se exclusivamente com tempos de serviço e progressões de carreira (justo em alguns casos, perverso noutros) como se o sucesso académico dos alunos fosse a consequência natural, osmótica, per si, da promoção dos seus pares independentemente de méritos e competências. Se calhar, era altura de acabar com experiências que nunca se percebe bem para que servem e delinear uma estratégia comum, consistente e que, sem entrar em demagogias furibundas e facilitismos fatais e perigosos, se pensasse, realmente, nos alunos. Não como cobaias, não como querubins. Como o futuro que realmente são, com a responsabilidade que se exige a todos.

 

 

Falo destas duas disciplinas em particular porque são as que conheço. Imagino que haja situações idênticas noutras áreas.

publicado às 19:44


17 comentários

Imagem de perfil

De Sarin a 31.10.2019 às 21:29

Pensei que o experimentalismo existia entre Ministérios - não me tinha apercebido (não teria como) que um mesmo Ministro promoveria tal tango - dois pra lá, dois pra cá, como cantava a Elis. Dois anos.

E os provedores dos Alunos? E as Associações de Pais? E as Associações Académicas? E os Agrupamentos? São tantos os que se calam....
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 31.10.2019 às 21:59

Pois, parece ser o nosso fado. Cada um grita para o seu lado e ninguém se senta para pensar a longo prazo. Não se pode voltar atrás na aberração que é o acordo ortográfico, coitadinhas das crianças, mas pode-se brincar com quase tudo o resto.
Imagem de perfil

De Sarin a 31.10.2019 às 22:02

Agora, sim, falaste correctamente: brincar.
A brincar também se aprende - mas desaprende-se muito mais, pelo menos com brincadeiras destas.
Supunha o Brandão mais sensato, apesar de tudo.
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 31.10.2019 às 22:07

Mas achas que ele tem voto na matéria nisto?
Imagem de perfil

De Sarin a 31.10.2019 às 22:24

Um Ministro é responsável pelo ministério. Alguém assinou o despacho - quem os assina tem cargo de confiança política. Portanto, se não tem a ver, orienta quem, na sua equipa, tenha. As avaliações nacionais não são a escolha de um manual, integram-se numa política educacional - é assunto do ministro.
Mas sei lá...
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 31.10.2019 às 22:26

Pois, mas isso acontece em países a sério... deve vir daí a tua/minha confusão.
Imagem de perfil

De Sarin a 31.10.2019 às 22:33

:((((

Bom feriado :))
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 31.10.2019 às 22:34

Para ti também:)))

Beijo grande.
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 01.11.2019 às 10:53

A minha filha informou-se dessa alteração. Vai fazer exame de matemática A em 2020 e disse que ela tem sido cobaia das diferentes alterações.
Foi na altura de exames de 4ª, 6º e 9º.
Foi no 10º à disciplina de educação física (não conta para nota e já conta para nota).
Agora 1 caderno de Matemática A no exame e uso da calculadora em todo o exame!!!
Ai que instabilidade!!!!
Beijinhos
Bom Feriado!
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 01.11.2019 às 12:40

O problema é que não há tempo para avaliar as mudanças, seja nos propósitos, sejam nas consequências. É ao sabor do vento, como habitualmente.

Bom feriado, Luísa. E muito sucesso para a filhota.
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 01.11.2019 às 16:57

Obrigada, Minha Querida!!!
É a terceira que "despacho" e estou de coração apertado. Ela quer ir estudar para fora da Madeira.
Agora é que fico só!!!
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 01.11.2019 às 17:41

Com a sensação de dever cumprido, também, suponho:))

E nunca estará verdadeiramente só, apesar do evidente “vazio” inicial. Digo eu, que só tenho um, que está longe de ser “despachado” e que, portanto, percebo pouco do assunto:))

Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 01.11.2019 às 17:49

Sim, sim, estou muito feliz com o dever cumprido. Uma é médica e outra engenheira do ambiente e técnica superior de higiene e segurança no trabalho. Estão muito bem e só me têm dado alegrias. Falta a Beatriz, que tem 17 anos!!!
Veremos como vai correr!!!
Beijinhos e obrigada!!!
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 01.11.2019 às 17:52

Parece ter tudo para correr bem! Parabéns!
Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 02.11.2019 às 17:52

"Acabar com os chumbos e acabar com os exames nacionais são ameaças recorrentes, como se aí residissem os males maiores da educação."
Não, não sáo. Aliás o primeiro visa assegurar que o aluno adquiriu os níveis minimos de conhecimento para o ano em que está. No caso da matemática é particularmente importante pq o conhecimento é cumulativo. O segundo garate a igualdade dos alunos na avaliação através de um método independente.
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 02.11.2019 às 19:04

Perdi-me ali um bocadinho no “não, não são”. No resto, tenho tendência a concordar. Mas, não havendo métodos perfeitos e infalíveis, há quem não tenha a mesma opinião. E a discussão pode fazer-se, inclusive, relativamente aos modelos de exame. O que me preocupa são os experimentalismo gratuitos.

Comentar post




“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos...

Eu Sou Assim

Idade - Tem dias.

Estado Civil - Muito bem casada.

Cor preferida - Cor de burro quando foge.

O meu maior feito - O meu filho.

O que sou - Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa.

Irmãos - Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo.

Importante na vida - Saber vivê-la, junto dos amigos e da família.

Imprescindível na bagagem de férias - Livros.

Saúde - Um bem precioso.

Dinheiro - Para tratar com respeito.


Layout

Gaffe


Arquivo



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.