Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Espelhos de alma.

por naomedeemouvidos, em 08.03.19

Passo por ela todos os dias. Ela não chega bem a passar por mim. Porque me atravessa a alma em desalinho. Arrasta-me suspensa dos seus olhos negros e profundos que apenas vislumbro por entre a máscara de trapos que compõem o horrendo e espesso niquab. Apesar das correntes que a trazem agrilhoada, nesse dia como noutro dia qualquer, move-se com elegância. As mãos, cobertas pelas luvas pretas, opacas e decentes, como convém, parecem pequenas e graciosas. Vai deslizando os pés, suavemente, estrangulados nuns sapatos pretos, de biqueira arredondada, emergindo a lufadas curtas e rápidas, como um náufrago aspirando, sofregamente, os farrapos azedos do ar que ainda o mantém vivo. Pode caminhar na rua sozinha, sem a companhia decente de um homem, por isso, fatalmente encarcerada, sente-se livre. O mais livre que lhe permite a sua condição. Foi abençoada. Casou bem. De momento, o marido está em viagem de lua-de-mel com a segunda esposa. Ela autorizou. A primeira esposa goza desse privilégio. O de autorizar segundas esposas. Ou terceiras. A quarta, eventualmente. Todas devem viver com o mesmo imposto, abominável, conforto.

 

É estranho que não tenha filhos. Mas, talvez ainda não seja a hora. Não imagino a sua idade. Os olhos negros nem sempre me permitem a ousadia de os suster nos meus. Sou estrangeira e impura, não conversamos, jamais poderíamos ser amigas. E, no entanto, há algo, naquele silêncio que nos une, uma vez a cada semana, quando nos cruzamos, fugazmente, na rua, uma quietude imensa, avassaladora, que me arrelia e me inunda de contradições. Emociono-me, pasmo, rio, deslumbro-me. Nunca sinto pena, no entanto, não sei se deveria.

 

Não. Não somos amigas. Como poderíamos, sendo tão diferentes? Se nunca, sequer, a vi, inteira, pouco mais que uma sombra. E ninguém faz amizades futilmente, que disparate, com alguém que não conhece, com quem nunca trocou uma única palavra, apenas olhares breves, silêncios incontidos, em rebuliço, suspensos de um entendimento para lá do aceitável, dadas as circunstâncias. Acabarei por mudar-me e deixarei de me cruzar com a sua alma quase muda, vertida nos olhos profundos que me atormentam.

 

Por vezes, encontro-a noutros olhos, noutras almas, noutras amizades igualmente improváveis. E, muitas vezes, volto, imprudentemente, a emocionar-me.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:39




“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos...

Eu Sou Assim

Idade - Tem dias.

Estado Civil - Muito bem casada.

Cor preferida - Cor de burro quando foge.

O meu maior feito - O meu filho.

O que sou - Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa.

Irmãos - Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo.

Importante na vida - Saber vivê-la, junto dos amigos e da família.

Imprescindível na bagagem de férias - Livros.

Saúde - Um bem precioso.

Dinheiro - Para tratar com respeito.


Layout

Gaffe


Arquivo



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.