Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

Às vezes, a política diverte-me. De um modo algo sado-masoquista, mas diverte-me.

Diverte-me ver os aflitivos contorcionismos, linguísticos, intelectuais e outros (físicos, não, porque isso, para alguns, já seria arriscar demais) que políticos e comentadores políticos fazem para tentar dar um ar sério às engenhosas explicações que são obrigados a produzir, para explicar monumentais fiascos. Sem lhe chamarem fiascos, evidentemente, porque aí reside a sua arte.

O último poderia dar pelo nome de “Independência Suspensa”. Da Catalunha, pois claro, que, num majestoso golpe da maior arte do flop, Carles Puigdemont se viu obrigado a ensaiar até ser capaz de o disferir com a dignidade que lhe foi possível. Aconteceu ontem, em directo, com um atraso simbólico da difícil digestão do maior sapo por alguém engolido, na História recente. A Catalunha será independente! Um dia, quem sabe, à semelhança do que já ansiavam uns quantos antes do referendo que produziu a mais estapafúrdia votação e subsequente contagem de votos, numa democracia europeia. Carles Puigdemont montou uma cilada que se voltou contra ele próprio. Pelo que é quase hilariante, não fosse o caso grave, ver tantos procurarem justificações honrosas, hábeis, inteligentes e moderadas no gesto de um homem que, começou por ser ardiloso e acabou a mostrar que, se a Catalunha merece, um dia, vir a ser independente, não o merece, seguramente, pela rédea de Puigdemont.

Os analistas políticos verão isto de outra forma. É a sua função, e ainda bem. Eu vejo assim: um homem com muita ambição e alguma sede de protagonismo quis liderar uma batalha para a qual não estava preparado. Apoiado numa ideia algo poética aliada a uma interpretação bastante enviesada das leis e dos direitos dos povos, este homem quis impor uma vontade que julgou legítimo liderar. Eis senão quando um pragmático, e nada romanesco, revés surge-lhe ao caminho. O capitalismo e a economia gostam de ficção, mas, no cinema, e a debandada de empresas com sedes na Catalunha começou a fazer tremer os alicerces de um sonho que, afinal, parecia não caber nas ruas de Barcelona. Confrontado com o fracasso, não lhe restou outra alternativa que a de fingir que declarava a “independência”, adiando a dita para momento oportuno, porque agora parece que não dá muito jeito… Ou, talvez, a última manobra, não sendo honrosa nem moderada, pode, seguramente, ser inteligente e hábil no mais puro sentido espanhol de “tramposo”, porque, convenhamos, Puigdemont está ferido, mas não está morto. E, morto estivesse, os deputados da CUP encontrariam maneira de ultrapassar esse problema menor. Afinal, não aplaudiram o discurso, mas assinaram, ordeiramente, a suposta declaração de independência. É sempre bom ver alguém lutar, com integridade e carácter, pelos seus ideais, não é?

Chegámos, então, a um novo impasse. Não sei se a Catalunha tem “direito” a ser independente. A não ser que queiramos alterar completamente as leis das sociedades em que também queremos viver, essas leis existem para manter alguma ordem nessas sociedades e para as fazer funcionar eficazmente. E, comparar o direito à autodeterminação do povo catalão com o direito à autodeterminação do povo de Timor, por exemplo (como já li), parece-me de uma absurda falta de senso comum, para não dizer que é quase um insultuoso abuso.

Mas, o diálogo impõe-se sempre como a melhor maneira de vencer desafios desta ordem, embora se torne difícil dialogar quando cada uma das partes parece já ter previamente tomadas todas as decisões…

A independência da Catalunha, a ocorrer, merecia mais glamour e, sobretudo, mais seriedade.

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 comentários

Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 11.10.2017 às 12:20

Resumo em duas questões: incompetência associada a sede de poder.
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 11.10.2017 às 12:27

Ou seja, as duas maiores qualidades dos grandes políticos dos nosso dias...
Imagem de perfil

De Triptofano! a 11.10.2017 às 15:14

Gostei muito deste teu post, uma óptima análise que aqui fizeste com a capacidade de colocar o dedo na ferida.
A Catalunha (perdoa-me se disser algum disparate) tem Superávite o que faz com que muitos ambicionem a independência, então agora uma pessoa ganha dinheiro e vai ter de compartilhar com as outras regiões do país menos ricas? Só que quando quem gera o capital começa a querer abandonar a região percebe-se que afinal as coisas não são tão fáceis, não é só querer e fazer, é querer, poder, fazer e aguentar o barco com ondas ou sem elas!
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 11.10.2017 às 20:28

Dás-me muito crédito, Triptofano. Isto é mais um desabafo, do que propriamente uma análise... A política exige um jogo de cintura em que, muitas vezes, é difícil identificar a fronteira entre os princípios e o serviço público e o vale tudo. É preciso uma enorme inteligência e ética...
Imagem de perfil

De Triptofano! a 12.10.2017 às 12:03

Dou-te muito crédito porque mereces muito crédito minha querida!
Tu dizes que é um desabafo mas se fosses moça conhecida da televisão não haveria quem faltasse a dizer que era uma análise de categoria superior - às vezes mesmo sem querermos inferiorizamos as nossas capacidades de análise/escrita/opinião!
A política para mim é um bicho complicado por isso é que eu gosto tanto de ler coisas escritas por pessoas como tu, que vão directas ao assunto, sem jogos de palavras nem rodeios, que a pessoa chega ao fim e nem percebe se realmente percebeu.
Um beijinho gigante
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 12.10.2017 às 18:03

Obrigada! Agora fiquei supersensibilizada. Um beijinho para ti também é continuação de um bom dia
Imagem de perfil

De Maria Amélia a 11.10.2017 às 15:58

A politica e o seu entendimento nem sempre é claro
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 11.10.2017 às 20:32

Não é bem a política que é de difícil entendimento
Imagem de perfil

De HD a 11.10.2017 às 18:42

Uma no cravo outra na ferradura... :s
Ninguém percebe estas posições ambíguas... -.-
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 11.10.2017 às 20:31

Acho que nem os próprios...andam ao sabor do vento.
Imagem de perfil

De cheia a 11.10.2017 às 19:01

Parece que conseguiu fazer com que a constituição espanhola seja alterada. Vamos ver no que dá!
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 11.10.2017 às 20:48

Qual é a alteração a que te referes?

Comentar post



"Nada na vida dever ser temido, apenas compreendido." Marie Curie

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Eu Sou Assim

IDADE_Tem dias. ESTADO CIVIL_Muito bem casada. COR PREFERIDA_Cor de burro quando foge. O MEU MAIOR FEITO_O meu filho. O QUE SOU_Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa. IRMÃOS_ Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo. IMPORTANTE NA VIDA_ Saber vivê-la, junto dos amigos e da família. IMPRESCINDÍVEL NA BAGAGEM de FÉRIAS_Livros. SAÚDE_Um bem precioso. DINHEIRO_Para tratar com respeito.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."