Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

IRAs (des)necessárias.

“ 21Tomando a palavra, o governador inquiriu: «Qual dos dois quereis que vos solte?» Eles responderam: «Barrabás!» 22Pilatos disse-lhes: «Que hei-de fazer, então, de Jesus chamado Cristo?» Todos responderam: «Seja crucificado!» 23Pilatos insistiu: «Que mal fez Ele?» Mas eles cada vez gritavam mais: «Seja crucificado!»

 

24Pilatos, vendo que nada conseguia e que o tumulto aumentava cada vez mais, mandou vir água e lavou as mãos na presença da multidão, dizendo: «Estou inocente deste sangue. Isso é convosco.»”

 

    O IRA (para que conste, qualquer semelhança com o “Irish Republican Army” é capaz de não ser apenas uma malévola coincidência…) dedica-se a resgatar animais em perigo e/ou em sofrimento profundo. E, até aqui, nada a apontar. A coisa começa a ficar um pouco obscura quando começamos a dar-nos conta do (por exemplo, aqui) método: parece que actuam à margem da lei (aka, ilegalmente) encapuzados, pelos menos dois são mamutes com mais de 100 kg, alguns são polícias, e estão prontos para tudo, inclusive, para partilhar na internet o nome e outros dados pessoais dos prevaricadores. Afinal, este IRA, tal como o outro, parece-me, “não existe para paninhos quentes”; quem não gosta não come, o que, em linguagem virtual, passou à versão quem não gosta que tire o like lá da página.

      Há quem ache isto, não só generoso e nobre, como necessário, já que, as autoridades, pasme-se!, têm que cumprir a lei e não podem entrar em casa das pessoas sem mandato. Urge fazer-se justiça e essa urgência impõe-se às regras do jogo democrático, que nos tem reféns, esgotados e impotentes.

     Os fins justificam os meios, quando os meios nos são caros, é disso que se trata? Porque, nesse caso, podemos formar e armar de meios pouco lícitos todos os grupos que garantam a nossa própria justiça social. É so escolher, e até podemos organizar catálogos. Primeiro, dos violadores aos pedófilos, dos vulgares ladrões aos elegantes assaltantes de bancos, até chegarmos à caça de todos os que, por azar, estavam no local errado à hora errada. Podemos passar a usar um dístico na lapela que nos identifique (espera…) como os bons e que podemos ir mudando ao sabor das novas políticas, de forma a pertencermos sempre ao rebanho certo e, assim, evitarmos confusões e conflitos violentos. Ou podíamos devolver o Pelourinho às nossas belas praças pejadas de turistas (alguns, seguramente, apreciariam), não na forma de monumento histórico, mas, resgatando-o dessa mesma História para cumprir, novamente o seu  sublime e justo papel. Suspendemos a democracia durante um breve período de tempo, até eliminar todos os pecaminosos vícios dos outros e, quando pusermos ordem na casa, corremos com os justiceiros, reavemos a mesma liberdade que sacrificámos em nome de um bem maior e recuperamos a dignidade hipotecada. Não é assim que se matam, depois de usados, os Bolsonaros?

“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Eu Sou Assim

IDADE_Tem dias. ESTADO CIVIL_Muito bem casada. COR PREFERIDA_Cor de burro quando foge. O MEU MAIOR FEITO_O meu filho. O QUE SOU_Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa. IRMÃOS_ Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo. IMPORTANTE NA VIDA_ Saber vivê-la, junto dos amigos e da família. IMPRESCINDÍVEL NA BAGAGEM de FÉRIAS_Livros. SAÚDE_Um bem precioso. DINHEIRO_Para tratar com respeito.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."