Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

Os políticos não são "tutti" iguais... ou são?

Não sei se os políticos são todos  iguais, mas que parecem, lá isso, parecem. Mas, nós, portugueses, também parecemos ter exactamente os políticos que merecemos. Lembremo-nos, sempre!, quem é o actual presidente da câmara de Oeiras e quem é que o elegeu. Recordemos Fátima Felgueiras. Deixemos assentar a poeira e, quiçá, José Sócrates ainda é capaz de chegar a Presidente desta bela República. Nunca fiando…

Indignamo-nos com as cores dos cadernos para meninos e meninas, vociferamos contra anúncios anti-tabaco machistas e de gosto duvidoso, mas convivemos mais ou menos bem com viagens pagas a deputados e duplicação de subsídios ou ajudas de custo. Condenamos os pais que dão falsas moradas para inscrever os filhos nas melhores escolas públicas, mas encolhemos os ombros quando os nossos deputados alteram as suas próprias moradas de forma a amealhar mais umas dezenazitas de euros mensais (até nisso somos pobres…). Revoltamo-nos contra os professores, esse bando de indolentes e incompetentes, mas pouco nos importa o vergonhoso nível de absentismo e a gritante ignorância de alguns dos nossos representes no Parlamento.

Num país de bem, quem foge à justiça, quem deve ao fisco, quem não cumpre os mais básicos deveres de cidadania não pode, legalmente, com a maior arrogância e impunidade, candidatar-se a cargos políticos. E quem exerce cargos políticos, pagos com os impostos dos que trabalham e não vivem dos favores do Estado, não pode escudar-se em contorcionismos linguísticos e pseudointelectuais, para justificar o que, podendo não ser ilegal, é, seguramente, imoral e antiético. Como é que justificava, Carlos César, o seu alegado direito à duplicação de pagamento das suas viagens de e para os Açores? Ah, não é duplicação… A magia das palavras! E- obviamente, não comparando o que não é comparável- não vem mal ao mundo (pelo menos, a Portugal) se um primeiro-ministro vive à custa de um grande e rico amigo. São só invejas e maledicências grosseiras, de quem também quer, mas não pode.

A verdade é que ninguém parece ter muita vontade ou coragem para mexer nas mordomias estabelecidas. O povo é pouco exigente e só tem pena de não conhecer ninguém numa câmara, numa junta de freguesia, numa associação, enfim, num qualquer organismozito que não esteja já lotado de primos, tios, esposas, esposos, filhos e filhas, noras, genros, ascendentes e descendentes e demais in laws. Lá diz o ditado, cão que ladra não morde e, digo eu, quem beneficiar de um tachinho jeitoso não estrebucha, não é?

Dificilmente se pode produzir uma sociedade mais justa, mais rica e mais digna cultivando ou tolerando a incompetência, o compadrio e a corrupção, em vez de premiar e estimar valores como o mérito, o trabalho capaz, a justiça social, o respeito pelas pessoas e pelas instituições e pelas leis que devem reger um Estado democrático e de direito. Ou isso, ou ficaremos cada vez mais à mercê de lunáticos demagogos e populistas ao estilo Donald Trump e seus aprendizes…mas isso não parece preocupar muita gente.