Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sobre tecnologias...

...e os novos velhos do Restelo.

por naomedeemouvidos, em 16.11.19

 

 

Ando um pouco curta de opiniões publicadas. Não porque me escasseiem os achismos diários. Tenho-os em catadupa, muitas vezes, ansiosa e tresloucadamente, como os restantes mortais. Simplesmente, tem-me faltado tempo, paciência e engenho para apanhar os cacos com que se faz o alarido mediático e imediato de todos os novos dias e convertê-los em coisas escritas que façam algum sentido. Pelo menos, para mim. Antes de mais, para mim. Agradeço a todos os que perdem algum do seu tempo a ler o que escrevinho, mas, receio sempre que me levem demasiado a sério. Escrevo, essencialmente, porque me apetece. Foi para isso que criei este blogue, e não para educar, informar, influenciar, ou qualquer outra coisa igualmente séria. Eu sei que se percebe, mas, pelo que tenho visto e ouvido, nunca é demais recordá-lo.

 

Ainda assim (ou, por isso mesmo), se, por vezes, posso partilhar algo que encontra eco desse lado, seja qual for o tema (ou, se calhar, não), goste-se ou não, concorde-se ou não, não quero deixar de o fazer. Ainda não. E, como, recorrentemente, se fala da maldição das tecnologias, do seu uso e abuso, da forma como nos deixamos influenciar e manipular, por mais atentos e informados, e de como o problema não está exactamente na (ben)dita tecnologia e na sua estrondosa capacidade de abrir caminhos, não só desconhecidos, mas, de outra forma interditos a uma fatia considerável da população, hei-de vir aqui falar da nova série documental baseada em algumas reportagens do jornal norte-americano The New York Times que o canal Odisseia estreou na passada terça-feira. Já vi o primeiro episódio, “A Toca do Coelho”. 

publicado às 12:36


10 comentários

Imagem de perfil

De Sarin a 16.11.2019 às 16:47

Acho muito bem que não deixes de o fazer!

Já não consigo acompanhar o Odisseia e o História. A parcialidade ou a superficialidade ou ambas é tanta em tantas séries que desisti, tendo consciência de as trufas e outros bons cogumelos nascerem onde nascem.
Mas confio na tua palavra - irei ver.
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 16.11.2019 às 16:53

Não acompanho, propriamente. As histórias sobre alienígenas e coisas do género mexem-me com o sistema nervoso. Não sou hermeticamente fechada à hipótese de vida extraterrestre, mas, menos...

Vi a notícia no Público e fui ver. Toda a informação (e, por informação entendo isso mesmo, e não invenções alternativas mirabolantes) ouvida, lida e vista com espírito crítico é bem-vinda. A não ser que comecemos a acreditar que toda a gente conspira contra toda a gente :))) São 25 minutos de programa. Tirarás as tuas conclusões :))

Beijo grande e bom fim-de-semana.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.11.2019 às 17:06

Concordo, toda a informação é bem vinda. E por isso acato sugestões, no caso, a tua :)

Há 20 anos, o Odisseia e o História eram-me novidade, mas rapidamente os retirei da lista de canais que acompanho. Não há paciência para procurar o trigo no meio de tanto mas tanto joio, valham-me os bons conselhos de quem tropeça no que vale a pena - directamente ou por interposto jornal :)

Beijos, bom fim-de-semana
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 16.11.2019 às 17:19

Igualmente, e igualmente:))

Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 18.11.2019 às 00:16

Excelente sugestão. Quanto às tecnologias e à sua influência, julgo que depende da vontade de cada um. Das suas fraquezas, ou das suas potências. Vê bem, adoro o YouTube, mais os seus algoritmos, pois com eles tenho tomado conhecimento de bandas espetaculares, documentários assombrosos. Tenho um ebook e pela net tenho "sacado" centenas de livros, nos quais me amarro (não tarda, que a luz, já foi soprada). No meio dessas Teorias da Conspiração há muita treta. Os algoritmos não determinam a opinião das pessoas. São elas que determinam, pelas suas escolhas, pelas suas ideologias, a oferta do Algoritmo. A maioria de nós não usa a net para ser contrariada. Usa-a para convencer-se que tem razão.
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 18.11.2019 às 08:58

Concordo contigo, e não concordo contigo. Não creio que seja tão simples. Com as mesmas palavras-chave podes ter acesso a informação muito dispersa, contraditória, fundamentada ou mentira descarada. Claro que, depois, cabe a cada um deitar fora o que para si é lixo, e é aqui que entra a tal escolha. E caímos na tal questão da educação e do seu papel fundamental para fazer essa escolha com alguma racionalidade, mas – e é aqui que me parece que está o problema – se a educação, só por si, nos livrasse do “mal”, com ou sem teorias da conspiração, os americanos não teriam eleito Trump e, se calhar, os brasileiros não teriam eleito Bolsonaro. Afinal, dizem-nos que um dos grandes problemas que alimentam estes fenómenos é acharmos que só os “ignorantes” elegem populistas com tiques ditatoriais. Não sei. Posso estar a dizer disparates. É uma discussão que está para durar e que tem tanto de perturbador como de fascinante. A única certeza que tenho neste assunto é que não podemos ter certeza nenhuma :))
Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 18.11.2019 às 09:48

Convinha definirmos o que é educação e onde ela se ensina? A formação académica não te dá uma formação cívica. Ensina - te quanto muito um saber especializado com vista à execução de uma tarefa. Formação cívica é o que se faz cá em casa. Falamos de tudo, damos exemplos, mostramos a história de determinadas ideologias, curiosamente, muito através do computador. Discute - se tudo e tentamos incutir nos mais pequenos espírito crítico, até sobre o que é ensinado na Escola (ex: mistificação da história de Portugal, a inexistência de pureza de raças, que a atribuição generalista de vícios intrínsecos a uma comunidade é racismo - ex:ciganos - cuja ideologia, retórica, é igual à usada pelos nazis, que a Gravidade, na física, não resulta directamente da massa dos astros, mas da dobra do tecido do cosmos (Newton vs Einstein)....

Se os pais são excelentes profissionais, mas ignorantes no resto, a ignorância dos filhos é perfeitamente natural. Irão sorver qualquer patranha dos jornais, TV, ou net.

Preocupa-me mais a política de privacidade, e a impossibilidade de recorreres à informação digital, usares determinados programas, etc, caso recuses as políticas de cookies, de acesso à tua localização, histórico, inserida num projecto sobretudo de controlo e não tanto de adequação dos conteúdos ao utilizador . Em parte concordo também contigo

A escola devia ensinar não só o resultado prático do pensamento de outros mas, também, a pensar o pensamento.
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 18.11.2019 às 10:36

E, no entanto, aflige-se sempre como pode chegar a existir uma diferença tão grande entre uma educação e outra, por assim dizer.

De qualquer forma, dás vários exemplos que, por si só, merecem outra discussão:)).
Imagem de perfil

De Almerinda a 18.11.2019 às 16:03

Estamos na era das fake news que se engolem sem hesitação. Até o espírito crítico mais aguçado fica sem saber se o Dia das Mentiras não ultrapassou há muito aquele dia 1 de Abril em que tentamos perceber quais foram as mentiras que os jornais no pregaram.
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 18.11.2019 às 21:52

Acho que o mais preocupante ainda é haver gente que já nem quer saber se são "fake news" ou não. Acreditam apenas no que lhes apetece ou lhes dá mais jeito em cada momento.

Comentar post



“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

Layout

Gaffe


naomedeemouvidos@gmail.com


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.