Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

naomedeemouvidos

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos..

Somos o que pensamos?

    Este sábado, o jornal Expresso dava conta das conclusões de um estudo da Universidade de Cambridge realizado em oito países europeus e nos EUA, acerca da confiança que as populações têm (ou não) nas instituições.

    Os resultados do estudo no que toca a Portugal revelaram que não confiamos nos governos, nem nos militares, jornalistas, sindicalistas ou líderes religiosos. Mas confiamos na ciência, ou, pelo menos, nos cientistas. E, apesar de não darmos demasiado crédito às mentiras veiculadas como falsas notícias, somos, curiosamente, o país onde mais se acredita que existe um grupo que, secretamente, governa o mundo. Tudo segundo a mesma fonte.

    Numa altura em que a mentira domina grande parte – para não dizer todos – dos aspectos mais relevantes da nossa vida em sociedade, saber que não estamos (ainda, e que se mantenha a tendência) prontos a aceitar qualquer coisa que nos impinjam sem alguma dose de desconfiança é animador. Pelo menos, maioritariamente, vamo-nos mantendo a salvo de modas conspirativas anti-ciência; ainda acreditamos nos planos de vacinação, nos perigos das alterações climáticas, que a Terra não é plana, que o Homem chegou à Lua e que a Insight acaba de chegar a Marte. A manifesta descrença que revelámos ter nos políticos e nos jornalistas, por exemplo, ainda não é, aparentemente, suficiente para nos atirar para os braços de um qualquer aspirante a nacionalista-salvador-da-pátria, o que contraria um pouco a tal ideia de um grupo que, secretamente, governa o mundo.

    Se há, actualmente, um enorme desprezo pela verdade – e eu acho que há – o que fazer para que essa verdade se imponha, legitimada que está a mentira, mesmo a mais escabrosa? Mesmo o chamado jornalismo de referência se deixa, muitas vezes, assediar pela conquista fácil de audiências, porque é difícil o equilíbrio entre a notícia do momento e a verificação do seu real estatuto. Entre uma coisa e outra, perderam-se milhares de visualizações e de publicidade fácil. Há que insistir, investigar, escutar, duvidar. Informar. E, apesar de o jornalismo não cumprir, muitas vezes o seu papel como devia, hoje, mais do que nunca, é urgente, é imprescindível, promover o bom jornalismo.

    Não será, nunca, possível acabar com a desinformação, com a calúnia que prolifera como vermes nojentos no lixo servido nas plataformas digitais, onde uma mulher não pode mostrar um mamilo, mas onde há muitos constrangimentos em apagar uma página de incentivo à violência (por exemplo) sempre que aquela tenha muitos milhares de seguidores. Grande audiência igual a muito dinheiro e, para demasiada gente, é o dinheiro e não o sonho que comanda a vida. Quem discorda, faz o que pode para se manter sóbrio. Cá em casa, como só há um aparelho de televisão e está na sala, fazemos os possíveis por chamar a atenção do nosso filho para a importância da informação e, sobretudo, para a sua verdade. Assim, compensamos o sofrimento de ver um episódio do miúdo-maravilha (por acaso, nem é o pior, mas, de momento, não me ocorre outro…) com a “discussão” sobre o telejornal. Lamento, mas o miúdo vê notícias. Mesmo que sejam chocantes, porque, por muito que gostássemos, não controlamos tudo o que os nossos filhos vêem nos telemóveis e nos tablets (sim, temos “controlo-parental”, e…?). Ao vermos juntos, ao conversarmos, ao discutirmos, vamos alertando, instruindo, ensinando a duvidar e, sobretudo, a pensar pela própria cabeça. E, quando ele me pergunta, “mamã, tu não gostas daquele/a senhor/a?”, porque me apanhou a meio de uma crítica furiosa, posso sempre explicar-lhe que, por muito que tentem convencer-nos do contrário, não concordar não é igual a não gostar.

“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Eu Sou Assim

IDADE_Tem dias. ESTADO CIVIL_Muito bem casada. COR PREFERIDA_Cor de burro quando foge. O MEU MAIOR FEITO_O meu filho. O QUE SOU_Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa. IRMÃOS_ Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo. IMPORTANTE NA VIDA_ Saber vivê-la, junto dos amigos e da família. IMPRESCINDÍVEL NA BAGAGEM de FÉRIAS_Livros. SAÚDE_Um bem precioso. DINHEIRO_Para tratar com respeito.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."