Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Não acredito, porque posso!

por naomedeemouvidos, em 13.11.18

  “Funcionário do PNR que publicou imagem falsa de Catarina Martins no Facebook foi afastado”.

    A imagem em causa (vale a pena ler o Polígrafo) dava conta de que Catarina Martins teria afirmado que a cultura islâmica é “superior á nossa”, e nem o erro básico de ortografia foi suficiente para agitar a desconfiança do excelso membro do PAN, Partido Nacional Renovador. O secretário-geral do PAN acha que o colega se excedeu, o PAN não tem por hábito veicular fake news sobre quem quer que seja, mas, a autenticidade da imagem não foi confirmada porque, ao “colega”, “ela fazia sentido”. E é este “ela fazia sentido” que é um diabo de detalhe. Fazia sentido porque é mais fácil acreditar nas pessoas de quem gostamos e acusar aqueles de quem não gostamos. Para alguns, o gostar e não gostar é levado ao extremo. Mesmo que não sejam eles os autores do boato, não se importam de o espalhar, levianamente, porque o único critério é acreditar no que mais lhes convier.

    Os que hoje se informam pelas redes sociais, em detrimento do jornalismo de referência (aproveito para subscrever tudo o que li neste texto), acreditando cegamente (muitas vezes, acefalamente) em tudo o que é veiculado pelo grupo a que pertencem, fazem-no porque podem, porque querem ou porque não se interessam, desde que isso garanta muita aceitação social, muitos gostos e muitos seguidores? O fenómeno da propagação da mentira como forma de alcançar um determinado objectivo não é novo. O perigo actual talvez não esteja tanto na facilidade-barra-rapidez com que essa mentira se espalha, mas na indiferença com que consumimos essa mentira. E consumimo-la tanto melhor quanto mais predispostos estivermos a aceitá-la.  A normalização de comportamentos que, não há muito tempo, escandalizariam mais de meia nação é só mais um degrau na alienação dos novos tempos. A indignação passou a ser medida, não pela indignidade do acto, mas pela importância de quem o pratica. E a importância também depende do grupo a que se pertence, das mulheres que se põem a jeito, aos deputados que pintam as unhas ou são contra touradas e que, entretanto, viajam - de avião ou não - entre moradas reais e moradas relevantes para os devidos efeitos.

    A evolução tecnológica é uma das grandes conquistas da Humanidade. Não há qualquer dúvida e nem volta-atrás. Mesmo para os mais conservadores e inábeis (onde me incluo) são evidentes as suas vantagens. Mas – como dizia um professor meu – por cada patamar que subimos, pagamos um preço. A evolução também não é grátis, e há sempre alguém inteligente e competente o suficiente para se aproveitar da incapacidade dos outros, da sua ignorância ou, pior, da sua indiferença.

    Há umas semanas, um quadro produzido por inteligência artificial foi a leilão na conhecida e reputada Christie's, acabando a ser vendido por mais de 400 mil dólares. A tecnologia GAN tanto permite pintar ou desenhar, como manipular imagens para colocar alguém a dizer ou a fazer algo que nunca fez ou disse. E, não, não estamos a falar da manipulação caseira do vídeo que a Casa Branca divulgou para justificar o afastamento de um incómodo Jim Acosta. É mais do género se o George Clooney (ou a Jennifer Lopez, ou o que a sua imaginação ditar) lhe oferecer flores e você não for a Amal Alamuddin, isso é capaz de ser o GAN.

    Passaremos de acreditar em fake news para viver fake lives.  A não ser que passemos a ser mais exigentes com quem tem a responsabilidade de nos informar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:39

Sean Spicer, a wonderful guy!

por naomedeemouvidos, em 22.07.17

Sean Spicer bateu com a porta! Alegadamente, por discordar com a escolha de Anthony Scaramucci (um milionário amigo de Trump, quem diria?!!) para novo director de Comunicação para a Casa Branca.

Depois de meses a defender “factos alternativos”, Spicer vai passar a ter uma vida mais tranquila, imagino. Isto porque deve ser uma canseira estar constantemente a ensinar aos jornalistas e à comunicação social que a verdade dos factos é assim uma espécie de realidade paralela, na qual ninguém está verdadeiramente interessado. O que realmente importa é o que diz e pensa Donald Trump, o salvador da América e do mundo. A questão é que, o facto de Donald Trump pensar uma coisa num instante e twittar outra no instante imediatamente a seguir, tornou particularmente estafante e penosa a tarefa a que Sean Spicer se vinha propondo com todo o empenho e competência de que era capaz.

No seu estilo loquaz e requintado, lá veio Trump twittar que Sean Spicer é um “wonderful guy”, claro, como não? O leque de adjectivos que o presidente americano domina não permite muito mais, pelo que, vão todos corridos a nice, lovely, great, enfim, nada que exija grande capacidade de raciocínio, para não criar dissonâncias.

Como não há bela sem senão, Melissa McCarthy vai deixar de ter matéria prima para as hilariantes paródias que protagonizou no Saturday Night Live. Ou talvez não. Afinal, parece que a tarefa de Scaramucci é tentar mudar a imagem de Donald Trump na comunicação social e, ou muito me engano, ou ainda vamos continuar a rir muito. Para não chorar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:09



“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

É só o que eu acho...

"A idade não traz só rugas e cabelos brancos." E, como digo ao meu filho, "Nem sempre, nem nunca."

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos...

Eu Sou Assim

Idade - Tem dias.

Estado Civil - Muito bem casada.

Cor preferida - Cor de burro quando foge.

O meu maior feito - O meu filho.

O que sou - Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa.

Irmãos - Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo.

Importante na vida - Saber vivê-la, junto dos amigos e da família.

Imprescindível na bagagem de férias - Livros.

Saúde - Um bem precioso.

Dinheiro - Para tratar com respeito.


Layout

Gaffe


Arquivo



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.