Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os Novos Maestros

por naomedeemouvidos, em 06.12.19

“O rock ativa a droga, que ativa o sexo, que ativa a indústria do aborto. A indústria do aborto, por sua vez, alimenta uma coisa muito mais pesada, que é o satanismo. O próprio John Lennon disse abertamente, mais de uma vez, que ele fez um pacto com o diabo”.

 

Há um novo Dante. Brasileiro, maestro, adepto de teorias da conspiração, e acaba de ser escolhido para presidente da Fundação Nacional de Artes. Dante também acredita que a Terra é plana, claro, e tem um canal de youtube onde esclarece os visitantes sobre o que há de melhor na música e não só. Por exemplo. Nem todo o rock é mau: parece que gosta dos Metallica e da banda brasileira Angra (o baixista da banda, entretanto, já veio dizer que não gosta assim tanto deste Dante) e considera que aquele tipo de música é bom quando se está a conduzir e nos dá sono; o que me faz pensar que, ainda assim, o maestro Dante é melhor pessoa do que eu, que não vejo nada de bom nas doutrinas que a criatura prega e alimenta.

 

Na Índia, mais uma mulher foi violada e morta por um grupo de selvagens que se acham homens. Para minorar assim uma espécie de dano colateral, um realizador indiano defende que as mulheres deviam andar com preservativos para o caso de serem violadas e que as violações não violentas, seja lá o que isso for, deviam ser legalizadas. “Ao satisfazer o desejo sexual, os homens não matariam as mulheres.”

Há soluções tão simples que não imagino como demoramos tanto tempo a percebê-las. É um descanso saber que, afinal, sempre há homens capazes de acumular duas funções.

Entretanto, não sabia bem como reagir à voz destas mulheres – veja-se no que transformaram o movimento #MeToo –, mas talvez não haja muita margem para dúvidas. Não, “a culpa não é minha, nem onde estava, nem o que vestia”! É bom não nos esquecermos disto. Homens e Mulheres.

 

Os EUA preparam-se para entregar a América a Donald Trump. Numa bandeja forjada na derrota inevitável e amplamente anunciada do processo de destituição. Não há número suficiente de Democratas para provocar a demissão do presidente, nem Republicanos com vontade de deixar cair o ídolo, ainda que, em surdina, lhes possam restar poucas dúvidas sobre a gravidade dos actos praticados. Richard Nixon está prestes a tornar-se um poço de virtudes, ou, no mínimo, um exemplo de nobreza de carácter.

Já sabemos que Donald Trump pode, se quiser, matar alguém a tiro e não perder votos. Resta saber até onde chegará a piada. É de uma piada que se trata, afinal, embora o meu sentido de humor ande péssimo. Nada destes disparates que viraram mantra na nova política séria, altamente democrática e nada diplomática é para levar a peito. Só ao peito, como um crachá de protesto. Não passam de umas bocas inconsequentes para entreter o público. Para que se foram os Democratas meter nisto, nomeadamente, Nancy Pelosi, sabendo, à partida, que dificilmente o presidente será destituído e que, assim sendo, a sua vitoria servirá, apenas, para aumentar desmesuradamente a sua sensação de impunidade? Imagino que seja porque chega uma altura em que já nada é igual. Donald Trump tem vindo a adulterar todas as regras básicas da democracia, recusa qualquer tipo de escrutínio, insulta todos os que ousam criticá-lo e trata qualquer adversário político como um inimigo pessoal que pode humilhar à vontade, com a cumplicidade dos seus apoiantes e de alguma comunicação social que, ora o veneram, ora são apenas imbecis – como perguntar a Nacy Pelosi se ela odeia o presidente. Agora não se pode discordar, duvidar, questionar, argumentar, rejeitar. Só odiar. Tudo é aceitar ou odiar.

 

De modo que, de momento, continuo a preferir o diabo de John Lennon ao deus dos beatos que prestam culto a trumps e a bolsonaros. Quanto a Dante, escolho o do outro Inferno.

 

E, sim, por cá há problemas maiores, porque são nossos, mas não me apetece. Como estamos em véspera de fim-de-semana, deixo só algumas imagens de que gosto. Algures entre o céu e o inferno.

NatGeo18.PNG

https://www.natgeo.pt/fotografia/2018/09

publicado às 11:35



“Nada na vida deve ser temido; apenas compreendido.” Marie Curie.

Sou mulher, pelo que, metade(?) do mundo não me compreende. Tenho opinião sobre tudo e mais alguma coisa, pelo que, na maioria das vezes estou errada. E escrevo de acordo com a antiga ortografia, pelo que, não me dêem ouvidos...

Eu Sou Assim

Idade - Tem dias.

Estado Civil - Muito bem casada.

Cor preferida - Cor de burro quando foge.

O meu maior feito - O meu filho.

O que sou - Devo-o aos meus pais, que me ensinaram o que realmente importa.

Irmãos - Uma, que vale por muitas, e um sobrinho lindo.

Importante na vida - Saber vivê-la, junto dos amigos e da família.

Imprescindível na bagagem de férias - Livros.

Saúde - Um bem precioso.

Dinheiro - Para tratar com respeito.


Layout

Gaffe



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.